WTC7

.posts recentes

. Libertado um “pigmeu” bat...

. Paraíso

. Le Pen, Macron e o Fascis...

. Entre a espada e a parede

. Trabalho com precariedade

. Saindo da UE

. A rapina de Timor-Leste: ...

. Empresa de limpeza em Tel...

. De quem é o vírus Zika?

. Bem-vindos ao apartheid d...

. Adolescente americana ame...

. Perante o caos, o saque e...

. A canalhice final contra ...

. Atirá-los ao mar

. Pensar a violência


Tecnologia de FreeFind

.Arquivos

.subscrever feeds

blogs SAPO
Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017

Libertado um “pigmeu” batwa que tinha sido preso por caçar

Um “pigmeu” batwa saiu da prisão após sete meses detido por matar um antílope numa área protegida da qual o seu povo foi expulso ilegalmente.

batwa preso uganda caçadores

 Kafukuzi Valence na sua cela em Kisoro, Uganda, em fevereiro de 2017. 

Kafukuzi Valence, que terá 72 anos, assegura que o animal escapou do Parque Nacional da Selva Impenetrável de Bwindi para um campo das redondezas.

“Prenderam-me porque capturei um animal da selva e o comi”, declarou Kafukuzi à Survival [organização de defesa dos povos indígenas].

“Estive muito doente e desamparado e não fui visto por um médico”, lamenta Kafukuzi sobre o seu tempo na prisão. “Doía-me muito o estômago e as pernas e eram muitos os percevejos que me mordiam”.

“Mesmo agora ainda continuo débil. Não tenho nada que comer, fico só aqui sentado. Assim é a minha vida agora.”

batwa bwindi caçadores

Kafukuzi alega que os guardas do parque da Autoridade da Vida Selvagem do Uganda roubaram, ainda por cima, os bens de sua casa quando foi detido.

O Parque Nacional da Selva Impenetrável de Bwindi foi criado na  terra ancestral dos caçadores-colectores batwas em 1991, com o apoio do Fundo Mundial para a Naturaleza (WWF) e sem o consentimento dos batwas. Agora, são acusados de “furtivos” quando caçam para alimentar as suas famílias.

“Os guardas do parque anunciaram na região que todo a gente tinha de ir embora da selva, mas eles ficaram”, relata Kafukuzi. “Vieram caçar-nos e disparar contra nós”.

Mas perseguir os caçadores indígenas desvia a atenção e evita que se atue contra os verdadeiros furtivos: criminosos que conspiram com funcionários corruptos. Pelo que se sabe, na semana passada um guarda da Autoridade da Vida Selvagem do Uganda foi capturado traficando dentes de hipopótamo.

 

Texto publicado pela Survival a 7 de novembro de 2017. Tradução de Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 19:00
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 18 de Novembro de 2017

Paraíso

Quem diz que "sistema" não funciona? Para os mais ricos, esta conjuntura é um paraíso (não apenas fiscal).

Um por cento da população mundial concentra agora mais de metade da riqueza mundial e os 10 por cento mais ricos controlam cerca de 90 por cento da riqueza do planeta, revela o jornal New York Times.

Os oito multimilionários mais ricos do mundo controlam o equivalente a toda a riqueza dos 50 por cento mais pobres do mundo, noticiou a Oxfam no início deste ano; esses oito têm uma fortuna coletiva de 426 mil milhões de dólares, equivalente ao total da riqueza de 3,6 mil milhões de seres humanos pobres no planeta (www.oxfam.org/en/pressroom/
pressreleases/2017-01-16/just-8-men-
own-same-wealth-half-world
).

Os super ricos aumentaram a sua riqueza combinada em 17 por cento no ano passado para acumularem um total recorde de 6 mil milhões de dólares, mais do dobro do PIB do Reino Unido. Hoje em dia há 1542 multimilionários (com fortunas de mil milhões para cima) no mundo, relata a UBS (www.ubs.com/microsites/billionaires-
report/en/new-value.html
).

Segundo este relatório, estes multimilionários são 72 dos 200 colecionadores de arte mais importantes do mundo; uns 109 multimilionários são donos de 140 das melhores equipas desportivas profissionais do mundo. Ninguém calculou ainda quantos governos compraram.

O número total de ricos (incluindo ultra-ricos) no mundo –definindo-se como aqueles com mais de 50 milhões de dólares em bens– é de aproximadamente 140900; metade deles estão nos Estados Unidos, segundo um relatório recente do Credit Suisse (https://publications.credit-
suisse.com/tasks/render/file/index.cfm?
fileid=AD6F2B43-B17B-345E-
E20A1A254A3E24A5
).

Nos Estados Unidos, segundo a Reserva Federal (o banco central estadunidense), o 1 por cento mais rico das famílias controlam 38,6 por cento da riqueza deste, o país mais rico do mundo, quase o dobro da riqueza total de 90 por cento das famílias abaixo, um novo recorde.

As três pessoas mais ricas deste país, Bill Gates, Jeff Bezos e Warren Buffett –concentram uma fortuna equivalente à riqueza de 160 milhões de cidadãos, metade da populção nacional– segundo um estudo do Institute for Policy Studies, que conclui que essa crescente brecha entre ricos e pobres está a gerar uma crise moral. Acresce que os 400 estadunidenses mais ricos têm uma fortuna combinada equivalente à riqueza de 64 por cento da população, 204 milhões de pessoas. Não tínhamos visto níveis tão extremos de riqueza e poder desde a época dourada, há um século, concluem (https://inequality.org/wp-content
/uploads/2017/11/BILLIONAIRE-
BONANZA-2017-Embargoed.pdf
).

A lista dos 400 estadunidenses mais ricos da Forbes festejou outro ano recorde para os mais ricos, para entrar no seu clube exclusivo, é preciso ter pelo menos 2 mil milhões de dólares.

A enorme influência destes ricos no governo não é nada de novo, mas é mais explícita e desavergonhada do que nunca. O governo do magnata multimilionário que ocupa a Casa Branca inclui no seu gabinete o mais rico da história do país (embora se tenha agora descoberto que um dos multimilionários não era assim tão rico como afirmava e foi expulso da lista da Forbes, o Secretário de Comércio Ross só tem 700 milhões, que não exagere).

Gates, Soros, a família Walton (da Walmart), Eli Broad, os irmãos Koch, Robert Mercer, Sheldon Alderson e outros multimilionários no apenas impulsionaram políticas em vários itens, como também conseguiram tomar controlo quase direto da agenda política. Gates e companhia elaboraram a política educativa de Barack Obama (circulava a anedota de que o Secretário da Educação, Arnie Duncan, trabalhava para Gates).

Na semana passada, parte deste clube exclusivo foi desmascarado outra vez, com os Papéis do Paraíso, projeto do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, documentando como os ultra-ricos ocultam as suas fortunas e evitam o pagamento de impostos nos seus países, e como este grupo compacto supera diferenças nacionais, de raça, ideologia, género e religião para se proteger, e ao seu dinheiro, dos seus povos. (www.icij.org/investigations/paradise-
papers/
).

Paradise Papers offshore

Cartune de Tom Janssen, Holanda

 A desigualdade económica é a maior ameaça à democracia, avisaram vários recentemente: desde Noam Chomsky, o economista Prémio Nobel Joseph Stiglitz, Bernie Sanders, Ocupa Wall Street e toda uma gama de líderes sociais, até alguns dos próprios multimilionários (Buffett, Soros). E isto é mais visível do que nunca neste país.

“Os nossos líderes elevaram uma pequeníssima classe de indivíduos (…) e construiram-lhes um paraíso, tornando as suas vidas numa suprema delícia. Hoje em dia têm um poder inimaginável e não têm que prestar contas. Hoje em dia são estas mesmas figuras douradas, com os seus milhares de milhões offshore, as que são anfitriãs das ações de recolha de fundos, as que contratam os lobistas, as que financiam os grupos de reflexão e as que subsidiam artistas e intelectuais. Esta é a sua democracia hoje. Nós simplesmente não fazemos parte”, escreve no jornal The Guardian o colunista e autor sobre o cenário sociopolítico estadunidense, Thomas Frank, introduzindo as revelações dos Papéis do Paraíso.

Acontece que não poucos dos multimilionários estão a questionar-se sobre até quando as maiorias aguentarão tal situação, alguns inclusivamente recordam insurreições, revoluções ou grandes reformas que se detonaram noutras conjunturas de desigualdade tão extrema.

Alguns argumentam que essa oposição já se está levantando nos Estados Unidos embora num no meio de um dos tempos mais retrógrados no panorama político, tanto a nível local, em dezenas de batalhas políticas, sociais e laborais incluindo muitas encabeçadas por imigrantes em torno da desigualdade económica e fenómenos surpreendentes como o facto de que o político nacional com a taxa de aprovação mais alta, Bernie Sanders, se identificar como um socialista democrático.

Alguns insistem que para salvar os que vivem na Terra terão de ser expulsos os que ocupam o paraíso.

 

Texto de David Brooks publicado no La Jornada a 13 de novembro de 2017. Tradução de Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 19:00
link do post | comentar | favorito
|

Todos os textos aqui publicados são traduções para português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Crise Alimentar

A maior demonstração do falhanço histórico do modelo capitalista



Em solidariedade com a ACVC

Camponeses perseguidos na Colômbia

"Com a prosperidade dos agrocombustíveis, a terra e o trabalho do Sul estão outra vez a ser explorados para perpetuar os padrões de consumo injusto e insustentável do Norte"



Investigando o novo Imperialismo

↑ Grab this Headline Animator


.Vejam também:

Associação de Solidariedade com Euskal HerriaManifesto 74
Sara Ocidental Passa Palavra
XatooPimenta NegraO ComuneiroODiárioResistir.InfoPelo SocialismoPrimeira Linha
Menos Um CarroJornal Mudar de Vida
Blogue OndasBioterra





InI Facebook

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.