WTC7

.posts recentes

. O fascismo do século XXI

. Europa, o velho ventre im...

. As origens do fascismo na...

. A morte sem sentido de Mi...

. Em defesa do voto

. Golpe de Estado

. Onze teses sobre o capita...

. Brasil: avançar pela esqu...

. Um mundo de obesos e famé...

. Crise ecológica global: Q...


Tecnologia de FreeFind

.Informação Alternativa sobre:

Cuba

Palestina

.Arquivos



eXTReMe Tracker

.subscrever feeds

blogs SAPO
Segunda-feira, 6 de Janeiro de 2014

O fascismo do século XXI

Se tivéssemos que definir o fascismo em poucas palavras (em duas palavras, que é a definição mínima, pois se fosse só uma palavra seria um sinónimo e não uma definição), poderíamos dizer que um fascista é um burgês assustado.

Talvez pareça uma definição muito ampla, que situaría o número de fascistas, só no Estado espanhol, na ordem dos milhões ou das dezenas de milhões; mas visto que o capitalismo é a matriz do fascismo e o fascismo é a ultima ratio do capitalismo, qualquer pessoa que assuma as normas e valores do sistema converter-se-á num fascista em potência, quando não de facto.

E se o fascista é um burguês assustado, o que é que o assusta? Em princípio, a insegurança, a possibilidade de perder os seus privilégios de classe, o seu mesquinho “bem estar”; mas este medo, no fascismo -e esta é uma das suas características mais definidoras e definitivas- materializa-se num Grande Inimigo, um inimigo interno ou externo no qual é vista a causa de todos os males e e que terá de ser destruído a todo o custo. Um inimigo sorrateiro e perverso com o qual não se pode dialogar nem negociar, um inimigo homologável com o mal absoluto, ou seja, demoníaco. A mitificação e diabolização do inimigo foi sempre e continua a ser uma das mais claras marcas de identidade do fascismo.

No caso concreto do fascismo espanhol, esse inimigo demoníaco foi durante quatro décadas o comunismo (e em breve voltará a sê-lo). Depois da farsa da “transição democrática” e da domesticação do comunismo institucional, o papel de demónio transferiu-se para a violência dissidente (o que o poder chama de “terrorismo”), e muito concretamente a ETA. Mas depois de praticamente ter desaparecido a “ameaça terrorista”, aquilo a que o poder chama “extrema esquerda” (isto é, a esquerda real) em pouco tempo recuperará os seus cornos diabólicos, e um observador atento dar-se-á conta de que eles já começam a despontar (neste sentido, é notável -embora não seja surpreendente- o paralelismo entre o fascismo espanhol e o estado-unidense, que também começou por diabolizar o comunismo para, depois do desmembramento da União Soviética, converter o “terrorismo islâmico” num novo demónio; e, continuando com o paralelismo, é previsível que também nos Estados Unidos, e tendo em conta o que está a acontecer na América Latina, o comunismo recupere em breve os seus cornos).

Mas o fascismo -a burguesia assustada- não se conforma com a invenção de um Grande Inimigo à medida da sua cobardia, vê sim ameaças por todo o lado, em tudo o que seja diferente; tudo o que colocar em questão as normas e valores em que se baseia a sua fictícia segurança provoca-lhe um medo irracional e exasperante, uma autêntica fobia patológica. Por isso o fascista é xenófobo, racista e sexista; por isso é dogmático, violento e autoritario, tanto num sentido activo como passivo: quer impor-se pela força, mas também quer submeter-se a uma autoridade indiscutível; como assinalou Erich Fromm, o medo do fascista é em grande medida medo à liberdade (tanto à liberdade alheia como à própria).

E onde estão os fascistas do século XXI? Quem são? Ao ouvir, hoje, a palavra fascismo, temos tendência a pensar em organizações de extrema direita e indivíduos facilmente reconhecíveis pelos seus sinais externos: suásticas, bandeiras pré-constitucionais, frases xenófobas, agressões brutais… Mas, sem minimizar a gravidade destas expressões extremas, o verdadeiro problema está no profundo enraizamento do fascismo em todos os níveis da nossa sociedade; um enraizamento tão profundo que, de alguma maneira e em alguma medida, afecta a grande maioria da população e manifesta-se em condutas e atitudes que tendemos a considerar “normais” (e infelizmente elas são normais no sentido estatístico do termo). Entre os traços mais arraigados e preocupantes desta generalizada fascização da sociedade, são de destacar os seguintes: o dogmatismo, a competitividade exacerbada, o machismo, o racismo e a xenofobia, o puritanismo e o carnivorismo.

 

 

Dogmatismo

A palavra “dogma” remete directamente para a religião, e temos tendência a considerar que aqueles que não acatam a doutrina e a autoridade da Igreja, ou de qualquer outra instituição religiosa, se livram do dogmatismo; mas, lamentavelmente, não é assim. Toda a crença inamovível, toda a convicção inacessível à discussão ou à crítica, toda a verdade que se tem por absoluta supõe, em última instância, uma forma de dogmatismo. E só a ciência -e nem sempre- é plenamente coerente com a noção de que não há verdades absolutas e definitivas, mas sim unicamente interpretações provisórias mais ou menos eficazes. Por isso Marx e Engels propuseram um socialismo científico, e portanto livre de dogmas. E por isso temos que continuar a trabalhar nessa linha para conseguir, entre outras coisas, que o marxismo deixe de ser, como o é para muitos esquerdistas, uma doutrina em vez de uma ferramenta.

 

 

Competitividade

Tal como nos outros animais gregários, o comportamento do ser humano perante os seus semelhantes -isto é, o seu comportamento social- move-se ao longo do eixo colaboração-competição.

Os lobos colaboram para caçar e depois disputam entre si o melhor bocado; mas a colaboração prevalece sempre sobre a competição, e as lutas entre lobos raramente têm um desenlace fatal (dizia Hobbes, citando  Plauto, que o homem é o lobo do homem; oxalá fosse assim). Mas o capitalismo, ao identificar o êxito com a acumulação de poder e riquezas, exacerba a competição até extremos que se tornam desestruturantes para o indivíduo e autodestrutivos para a espécie. Para a lógica capitalista, que é a matriz do fascismo, triunfar é estar por cima dos outros e ter mais que os demais (em vez de ser, mais com os demais). E esta lógica perversa manifesta-se em fenómenos tão aceites socialmente como os desportos agonísticos ou o tão alardeado “espírito olímpico”. Quando o desporto deixa de ser uma mera combinação de jogo e exercício e se converte em violência ritualizada, numa batalha na que o principal objectivo é derrotar um adversário (“A eles!!”), o que deveria ser um saudável entretenimento converte-se numa aberração.

 

Machismo

Patriarcado, capitalismo e fascismo são inseparáveis e geram-se (e regeneram-se sem cessar) mutuamente. Graças às lutas, tantas vezes heróicas, e ao trabalho teórico do feminismo -a principal força transformadora do séc. XX e do que já decorreu do XXI- a situação mudou muito nas últimas décadas; mas o machismo continua a ser uma das maiores chagas, se não a maior, de quase todas as sociedades. O medo ao que é diferente, ao alheio, ao outro, que é uma das características básicas do fascismo, chega ao extremo, no fascista macho (e a maioria dos fascistas são machos), de incluir no seu repúdio irracional a irredutível oposição ao feminino. Mas embora só os fascistas declarados costumem ser conspicuamente machistas, não nos enganemos: todos os homens (e não poucas mulheres) o somos nalguma medida. E, obviamente, entre as manifestações mais repugnantes do machismo há que incluir a homofobia.

 

 

Racismo

Numa das divisões do Memorial do Holocausto de Jerusalém há duas portas de saída com diferentes inscrições; uma porta tem escrito “Pessoas sem preconceitos raciais” e na outra o sinal diz “Pessoas com preconceitos raciais”. Naturalmente, todos tentam sair pela primeira porta; mas não o conseguem fazer, pois ela está fechada à chave. E se alguém perguntar aos empregados do museu por que razão está fechada aquela porta, a reposta que é dada é: “Porque as pessoas sem preconceitos raciais não existem”. Vale para este caso o que foi dito anteriormente para o machismo: nas últimas décadas avançou-se muito na luta contra o racismo e a xenofobia; mas, de alguma maneira e nalguma medida, a desconfiança perante o que é étnica e culturalmente distinto continua vivo na imensa maioria das pessoas.

 

Puritanismo

No puritanismo confluem o medo ao que é diferente (e uma forma de ser diferente é não acatar a moral sexual burguesa-cristã), o autoritarismo repressivo e o machismo. O machismo, sim, pois o puritanismo expressa, antes de mais e sobretudo, o medo da liberdade sexual das mulheres e o desejo de a reprimir. E uma forma de puritanismo especialmente preocupante, na medida em que afecta inclusivamente alguns sectores da esquerda, é a criminalização da prostituição e as consequentes medidas ou propostas abolicionistas. A prostituição é uma chaga social, como o são (ainda que de forma distinta), o alcoolismo, o tabagismo ou outras toxicodependências; mas a criminalização e o abolicionismo repressivo, quer no que diz respeito à prostituição quer em relação às drogas, são puro fascismo.

 

Carnivorismo

O carnivorismo, perfeita metáfora (o metonímia) do capitalismo predador e da sociedade de consumo, é uma aberração ética, dietética, económica, ecológica e sanitária, e logo política. Produzir um quilo de proteína animal supõe o gasto -o esbanjamento- de até dez quilos de proteína vegetal, duplicando também o consumo de água e de energia. Dizia Isaac Bashevis Singer (que sofreu na própria pele os rigores do nazismo) que no que diz respeito aos animais, todos somos nazis. E enquanto não superarmos esta forma resistente e amplamente generalizada de fascismo interespecífico, não poderemos transformar radicalmente a sociedade. O socialismo, única alternativa à barbárie capitalista, não pode ser dogmático, nem violento, nem machista, nem xenófobo, nem racista, nem puritano, e também não pode ser consumista, nem carnívoro, nem especista.

Antes que vocês me comecem a atirar à cabeça objectos contundentes, devo esclarecer que não estou a dizer que todos os carnívoros, os adeptos do futebol ou os que consomem mais do que o necessário (que nos países ricos somos a imensa maioria) sejam fascistas. Simplesmente, há condutas e atitudes que tendem a perpetuar a ordem estabelecida e outras que tendem a transformar a sociedade. E neste sentido, como dizia Sartre, todos somos meio cúmplices e meio vítimas do sistema (embora não se deva entender a palavra meio no sentido literal de cinquenta por cento: algumas pessoas são muito cúmplices e muito pouco vítimas, e vice-versa).

 

Carnivorismo, comida, carne

 Cartoon de Hajo de Reijger, Países Baixos

 

E mesmo que não estejam de acordo com alguns dos meus argumentos, espero que concordem com a necessidade da esquerda reflectir a fundo sobre estas e outras questões básicas, incluindo nessas reflexões uma autocrítica sistemática e rigorosa. Só assim poderemos derrotar o omnipresente fascismo do século XXI e controlar o pequeno fascista que trazemos dentro.

 

Texto de Carlo Frabetti publicado por Rebelion a 13 de Novembro de 2013. Tradução de Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 19:00
link do post | comentar | favorito
|

Todos os textos aqui publicados são traduções para português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Crise Alimentar

A maior demonstração do falhanço histórico do modelo capitalista



Em solidariedade com a ACVC

Camponeses perseguidos na Colômbia

"Com a prosperidade dos agrocombustíveis, a terra e o trabalho do Sul estão outra vez a ser explorados para perpetuar os padrões de consumo injusto e insustentável do Norte"



Investigando o novo Imperialismo

↑ Grab this Headline Animator


.Vejam também:

Associação de Solidariedade com Euskal Herria5Dias
Creative IDiário de um árabe frustradoSara Ocidental Passa Palavra
XatooPimenta NegraO ComuneiroODiárioResistir.InfoPelo SocialismoPrimeira Linha
Menos Um CarroJornal Mudar de Vida
Blogue OndasBioterra


Este blogue forma parte da Rede de Blogueiras/os en defensa do Galego