WTC7

.posts recentes

. Entre a espada e a parede

. Trabalho com precariedade

. Saindo da UE

. A rapina de Timor-Leste: ...

. Empresa de limpeza em Tel...

. De quem é o vírus Zika?

. Bem-vindos ao apartheid d...

. Adolescente americana ame...

. Perante o caos, o saque e...

. A canalhice final contra ...

. Atirá-los ao mar

. Pensar a violência

. O que queremos dizer quan...

. “Je Suis CIA”

. A Rússia invade a Ucrânia...


Tecnologia de FreeFind

.Arquivos


eXTReMe Tracker

.subscrever feeds

blogs SAPO
Domingo, 28 de Janeiro de 2007

A vingança da Gaia

“Quanto menos comeres, beberes, comprares livros, fores ao teatro, fores dançar, fores beber, pensares, amares, teorizares, cantares, pintares, etc., mais vais poupar e maior vai ser o tesouro que ninguém poderá consumir – o teu capital. Quanto menos fores, menos dás expressão à tua vida, mais tens, maior será a tua alienada vida… Pois todas as paixões e todas as actividades estarão submersas na ganância.” – Karl Marx, apontamentos, 1844

Se olharmos para registo histórico, numa altura de grande levantamento social, quase sem excepção, as sociedades respondem de formas muito semelhantes, a maior parte das vezes caindo em visões apocalípticas, tantas vezes acompanhadas, quando não mesmo transmitidas, por messias de um ou de outro tipo, que oferecem a salvação desde que aceitemos a palavra. A alternativa é apresentada como sendo horrível de mais para ser contemplada e/ou uma vida futura constituída basicamente por mais do mesmo.

O mundo de hoje não é excepção, é deprimente eu sei, mas o falhanço do socialismo em oferecer uma alternativa viável ao actual desastre capitalista deixou muitos milhões de pessoas não apenas vulneráveis às ofertas de todo o tipo de “soluções”, quer se trate de uma variedade de fundamentalismos religiosos ou mesmo de alternativas ainda mais idiotas (será isto possível?), sobre as quais não me vou debruçar agora, mas também desesperadas por uma solução. O resultado é um ciclo vicioso, pois mesmo aqueles que adoptam uma das “soluções” disponíveis, descobrem que as coisas não mudam, a não ser para pior, o que por sua vez leva muitos a procurarem alternativas ainda mais extremas.

E é também esta vulnerabilidade que dá a raison d’etre à classe política dominante, pois as várias “soluções” que têm para oferecer, quer seja a interminável “guerra ao terrorismo” ou o crescente garrote nos direitos civis e políticos, todas elas aparentando dar mais estabilidade num mundo de incerteza e de caos crescente.

Os discursos de Tony Blair, por exemplo, são previsivelmente preenchidos com um tipo de pasta, composta por vagas generalidades mais uma dose saudável de comentários óbvios quasi-religiosos e até metáforas médicas (tenho-as extensamente documentadas).

Para juntar ao nosso recital de misérias, temos agora aquilo que parece ser o último desastre apocalíptico à mão, a destruição do clima. Não acabam? Aparentemente não, pois se pensávamos que produzir alternativas políticas/económicas ao capitalismo era difícil, então reverter as mudanças climáticas requer que façamos aquilo que devíamos ter feito há décadas e talvez, sem querer eu próprio ser apocalíptico, pode já ser muito tarde para as reverter.

Mas até pode não ser, e isso oferece à classe capitalista uma “saída” conveniente, pois por um lado eles podem usar o caos climático como um conveniente bode expiatório para reprimir mais os nossos níveis de vida já em diminuição, e por outro lado serve para justificar o seu contínuo assalto ao povo do planeta, tudo em nome de nos salvarem de nós próprios. Agora, para além das fictícias “guerras aos recursos” temos novamente a “crise de sobre-população”, uma “crise” confinada convenientemente aos pobres de cor de terras longínquas (ou não tão longínquas quanto isso).

E se acham que estou a exagerar, basta olharem para a quantidade de programas “verdes” disponíveis na televisão, rádio e imprensa, todos eles a dizerem para apertarmos o cinto mas continuarmos a consumir, mas consumir de uma maneira “verde”. É comer o seu planeta mas ficar com ele (desde que sejamos nós a ficar com ele)!

Claro que não vão ver em nenhum lado, nada que se assemelhe a uma alternativa à presente economia livre-para-tudo. Assim, por exemplo, dizem-nos que temos de reduzir a “nossa” utilização de embalagens mas conseguem imaginar ir a um supermercado local comprar um frango, retirá-lo da embalagem de plástico e dizer à pessoa da caixa que só necessitamos do frango? Seria o caos, pois a embalagem não apenas tem o preço mas também o código de barras necessário para seguir o “progresso” do frango desde a fábrica até à sanita. Eu suponho que também era possível fazer isso aprés caixa registadora, mas se alguém tentar fazer isso, gostaria de saber o que acontece. Mas em qualquer caso, isso não resolve o problema da inútil produção de embalagens de plástico feitas à base de, adivinharam, produtos petrolíferos.

Juntando à injúria, o insulto, num esforço para deslocar o ónus do produtor para o consumidor, algumas autoridades locais estão a experimentar agora, cobrar aos consumidores por saco do lixo, enquanto que outros querem multar os desafortunados consumidores por “saco errado” (esta é nova), isto é, colocar o plástico no contentor reservado ao papel ou coisas assim! No entanto, não há uma norma no tratamento lixo. Assim as minhas autoridades locais (Lambeth) apenas me permitem que “recicle” alguns tipos de plástico, o resto vai para aterro ou pela chaminé. Noutros concelhos há outras normas de tratamento do lixo.

Confrontem esta perspectiva com uma história que vi noutro dia sobre Cuba, que já completou a mudança total de lâmpadas incandescentes pelas de baixo consumo, versão fluorescente. De um dia para o outro eles simplesmente deixaram de vender das antigas, lâmpadas de energia intensiva (inventadas há mais 100 anos e praticamente não modificadas desde essa altura), e substituíram-nas pela nova versão de baixo consumo (para não mencionar o facto de que elas duram cerca de dez vezes mais que as antigas). Conseguem imaginar isto a acontecer no capitalismo livre-para-tudo? Nem sonhem.

E já que estamos a falar sobre Cuba, também completou a mudança para a produção orgânica de vegetais, sem pesticidas (custam muito) e criou um projecto nacional de educação para apoiar a transposição para uma agricultura sustentável, de pequena escala. Mais uma vez, imaginem os berros do grande agro-negócio se por acaso este exemplo fosse seguido por aquilo que faz de nosso governo.

Até a BBC, no seu último programa noticioso da noite passada (BBC 2 ‘Newsnight’, 18/1/2007), dedicou algum tempo a levantar realmente a questão de saber se o capitalismo será capaz de lidar com estes assuntos a um nível fundamental, sendo o consenso, um redundante NÃO. Claro que ninguém mencionou a terrível palavra Socialismo, preferindo em vez disso rodear uma alternativa. Mas claro que o facto de o capitalismo ser a raiz causadora da actual situação era incontornável, baseado no seu contínuo “crescimento”, isto é, persuadir as pessoas a comprar produtos que elas não necessitam de forma a obter lucro.

A dada altura, o repórter da BBC até levantou a questão de o que fazer acerca do futuro das gigantes corporações multinacionais, mas mais uma vez a alternativa era impensável e não mencionável. Em vez disso, o espectador foi deixado a baloiçar ao vento com o programa a sugerir que dependia de nós, mudar o nosso “estilo de vida”.

O paradoxo de não apenas reduzir o nosso consumo mas também o tipo de produtos que consumimos, sem transformar a natureza económica da produção foi sugerido, mas mais uma vez, não foi dada nenhuma proposta alternativa. Pelo contrário, um director de uma companhia líder de bebidas refrigerantes, falou de “capitalismo responsável” e da medição da “pegada de carbono” da sua empresa, mas como não havia nenhum convidado do programa que desafiasse a sua afirmação sobre a contradição inerente a um “capitalismo responsável” e oferecesse uma alternativa viável, só podemos tentar adivinhar as conclusões do espectador, mas também não é muito difícil.

No entanto, até o facto da BBC, voz do governo, ter sido forçada a, pelo menos, assumir a crise que enfrentamos, revela que muitos milhões de pessoas no Reino Unido e noutros locais estão, no mínimo, profundamente perturbados pela situação, pois apesar da sua ilusória saúde, eles são atingidos por uma vasta gama de doenças, desde vícios de todo o tipo, desordens psicológicas, bem como os mais óbvios efeitos físicos, obesidade, doenças coronárias e por aí fora. Por outras palavras, como sociedade, estamos doentes, infelizes e alienados e tudo isto produto do “modo de morte” capitalista.

O que me admira é o facto da esquerda, na totalidade do erradamente chamado mundo desenvolvido, não ter conseguido agarrar as observações essenciais de Marx sobre a natureza do capitalismo, alienação, e não ter conseguido desenvolver uma alternativa baseada na criação de um socialismo de modéstia e partilha, num mundo, comunidade, onde o desenvolvimento da nossa vida espiritual é fulcral à criação de uma sociedade em harmonia com o planeta que é a nossa (única) casa.

“Será que estamos a precipitar, não intencionalmente, outra ruptura que vá alterar o ambiente que sirva os nossos sucessores? — James Lovelock, The Ages of Gaea

O que me leva a um ponto que me interessa, o conceito de Gaia, assim nomeado por causa da antiga deusa egípcia da Terra, a Terra Mãe, dadora da via, mãe de todos os deuses do mundo antigo. Ridicularizado quando James Lovelock o propôs pela primeira vez, há trinta anos, o conceito é agora geralmente aceite como um modelo coerente de explicação do facto da vida ser reguladora de todos os processos químicos e geofísicos, incluindo os ciclos do azoto e do carbono. Por outras palavras, o clima. Até ao facto de ser o principal factor de transformação dos excessos de carbono em rochas. Todo o processo a que chamamos biosfera é um “organismo” interligado, único e infinitamente complexo.

Nós somos, por isso, uma mera expressão deste complexo processo, apesar de aparentemente sermos a sua mais complexa expressão, mas como tão eloquentemente disse o venerável Frederick Engels,

“…nós temos a certeza que a matéria permanece eternamente a mesma em todas as suas transformações, que nenhum dos seus atributos pode ser perdido, e por isso, também, que com a mesma necessidade férrea com que irá exterminar na Terra a sua maior criação, a mente pensante, terá de noutro lugar qualquer e noutro tempo, produzi-la novamente.”
Frederick Engels, na introdução à ‘Dialética da Natureza’, 1883.

Tudo muito bem, mas eu preferia que tentássemos salvar o que temos neste momento e antes que seja tarde demais.

Talvez seja a percepção desta realidade fundamental que está finalmente a ser apreendido nas nossas vidas viciadas e danificadas, que nos faça finalmente mexer o rabo e livrarmo-nos destes bastardos que estão a destruir o nosso planeta, outrora belo.


 


Texto da autoria de William Bowles, publicado em http://williambowles.info/ini/2007/0107/ini-0469.html a 20 de Janeiro de 2007. Traduzido por Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 21:52
link do post | comentar | favorito
|

Todos os textos aqui publicados são traduções para português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Crise Alimentar

A maior demonstração do falhanço histórico do modelo capitalista



Em solidariedade com a ACVC

Camponeses perseguidos na Colômbia

"Com a prosperidade dos agrocombustíveis, a terra e o trabalho do Sul estão outra vez a ser explorados para perpetuar os padrões de consumo injusto e insustentável do Norte"



Investigando o novo Imperialismo

↑ Grab this Headline Animator


.Vejam também:

Associação de Solidariedade com Euskal HerriaManifesto 74
Sara Ocidental Passa Palavra
XatooPimenta NegraO ComuneiroODiárioResistir.InfoPelo SocialismoPrimeira Linha
Menos Um CarroJornal Mudar de Vida
Blogue OndasBioterra





InI Facebook

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.