WTC7

.posts recentes

. Libertado um “pigmeu” bat...

. Paraíso

. Le Pen, Macron e o Fascis...

. Entre a espada e a parede

. Trabalho com precariedade

. Saindo da UE

. A rapina de Timor-Leste: ...

. Empresa de limpeza em Tel...

. De quem é o vírus Zika?

. Bem-vindos ao apartheid d...

. Adolescente americana ame...

. Perante o caos, o saque e...

. A canalhice final contra ...

. Atirá-los ao mar

. Pensar a violência


Tecnologia de FreeFind

.Arquivos

.subscrever feeds

blogs SAPO
Quinta-feira, 13 de Março de 2008

Agudiza-se a repressão no Peru

Até há pouco tempo, a repressão no Peru eram mais leis do que acções.

A legislação do APRA, partido de Alan García, com o apoio fundamental da ultra-direitista Unidad Nacional, do partido de Fujimori que está a ser julgado por inúmeros crimes, e sem oposição parlamentar consequente, foi lançada com toda a sua força anti-popular.

A lei ordena que o exército cumpra funções policiais, assinala as acções de protesto popular como delinquência e autoriza os polícias a matar impunemente.

A legislação está feita para amedrontar o povo, que naturalmente ia protestar pela condução do governo ao serviço incondicional das grandes empresas multinacionais e totalmente contra a população peruana e contra o meio ambiente.

No entanto, a reacção do povo foi vencer o medo e lançar-se à luta, das últimas mobilizações, a mais forte foi a greve camponesa.

 

Os camponeses estão a ser esmagados pela subida do custo de vida agravado pela miséria que recebem pelos seus produtos, pela ausência de crédito, pela subida dos preços dos fertilizantes, etc.

 

O governo, que falou muito do projecto da “Serra exportadora”, o que faz na prática (com a sua assinatura do Tratado de Livre Comércio com os Estados Unidos, que subsidiam a sua agricultura) é a política agrária do “Peru importador de produtos agrícolas”.

 

A greve camponesa foi confrontada com a aplicação da legislação repressiva: a polícia disparou à cabeça dos manifestantes, os cadáveres das vítimas da repressão apresentam dois ou três orifícios de bala na nuca, o que indica que os disparos vieram de trás. Contra a versão da própria polícia que apesar de reconhecer que os mortos foram atingidos por balas, o Ministro do Interior, Luís Alva, responsável político dos assassinatos, diz, sem nenhuma prova, que os manifestantes foram mortos por armas caseiras e que noutros casos os manifestantes tiraram armas à polícia para se matarem uns aos outros.

 

Sabemos que apesar de as suas mentiras serem flagrantes, ele não será censurado, pois a maioria do parlamento, sejam os deputados de que partidos forem, está de acordo com a necessidade de fazer tudo o que seja possível para defender as grandes empresas multinacionais contra os protestos populares.

 

São múltiplas as agressões dirigidas contra o povo, sendo a fundamental a defesa política, jurídica e policial das empresas mineiras multinacionais contra a população e a natureza peruanas.


 

 

Repressão no Peru - Alen Lauzan Falcon, Caglecartoons.com
Autor: Alen Lauzan Falcon, Caglecartoons.com

 

Para além disso, o governo tem um projecto para tirar as terras às comunidades camponesas, com a chamada “lei da selva” que privatiza a região amazónica sem respeitar as populações que a habitam e que trará como consequência a espoliação da zona, quer privatizar a água, os portos, ataca o ensino, não cumpre promessas feitas de aumento de salários para os funcionários públicos, inicia a privatização do nosso património arqueológico, etc.

 

Perante os protestos pela subida do custo de vida, o governo, por intermédio de Mulder, Secretário Geral do Apra, responde que Chávez, o presidente venezuelano, tem a culpa da fome no Peru.

Criminalização dos protestos

O Ministério Público informou que denunciou e pediu a detenção de 207 pessoas pela greve camponesa e que em Huaura foram sentenciadas 33 delas.

Foram abertos processos contra muitos outros lutadores sociais, entre eles o coordenador da Assembleia Regional de Cusco e o dirigente do Sindicato da Construção Civil de Cusco, pelas paralisações e mobilizações do povo de Cusco em defesa do seu património cultural. O ex-candidato à presidência, Ollanta Humala, é acusado de fazer estas mobilizações, sem que ele tenha alguma coisa a ver com elas.

Há muitos outros que foram processados por diferentes lutas a nível nacional.

A última

Agora somos surpreendidos com a prisão de 7 presumíveis terroristas em Tumbes, na fronteira com o Equador, que “preparavam acções terroristas contra as cimeiras que se vão realizar no Peru (em Maio vão reunir-se os chefes de Estado europeus e americanos na Cimeira UE-América Latina e Caraíbas e em Novembro haverá uma reunião do Fórum de Cooperação Económica Ásia-Pacífico (APEC)) e dizem que teriam relações com as FARC da Colômbia e com o MRTA do Peru”.

Quem são estes terríveis “terroristas”?

Gente que regressava ao Peru depois de ter assistido a uma reunião pública em Quito, que culminou com uma manifestação pelas ruas da capital equatoriana, o “Segundo Congresso da Coordenadora Continental Bolivariana”, levado a cabo entre 24 e 28 de Fevereiro, com a presença de delegações de vários países do continente, entre os quais do Peru, Chile Uruguai, Brasil, Equador, Colômbia, Venezuela, México, Porto Rico e República Dominicana, bem como delegações europeias da Alemanha, Itália e País Basco.

Nota-se claramente que é uma ordem de Bush acatada fielmente por Alan García, pois um dos pedidos da reunião é o reconhecimento das FARC colombianas como força beligerante, para facilitar as conversações com vista à pacificação da Colômbia, o que não quer dizer necessariamente uma identificação nem um contacto com as FARC.

Que saibamos, em mais nenhum outro país se prenderam pessoas presentes na dita reunião com a acusação de “perigosos terroristas”.

Solicitamos à opinião pública nacional e internacional que esteja atenta a este aumento da repressão no Peru e que se manifeste de todas as formas possíveis contra ela e em solidariedade com as justas exigências do nosso povo, vítima da submissão do regime às empresas multinacionais. 4 de Março de 2008.



Texto de Hugo Blanco publicado na Sinpermiso.Info a 10 de Março de 2008. Tradução de Alexandre Leite para a Tlaxcala.
publicado por Alexandre Leite às 13:00
link do post | comentar | favorito
|

Todos os textos aqui publicados são traduções para português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Crise Alimentar

A maior demonstração do falhanço histórico do modelo capitalista



Em solidariedade com a ACVC

Camponeses perseguidos na Colômbia

"Com a prosperidade dos agrocombustíveis, a terra e o trabalho do Sul estão outra vez a ser explorados para perpetuar os padrões de consumo injusto e insustentável do Norte"



Investigando o novo Imperialismo

↑ Grab this Headline Animator


.Vejam também:

Associação de Solidariedade com Euskal HerriaManifesto 74
Sara Ocidental Passa Palavra
XatooPimenta NegraO ComuneiroODiárioResistir.InfoPelo SocialismoPrimeira Linha
Menos Um CarroJornal Mudar de Vida
Blogue OndasBioterra





InI Facebook

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.