WTC7

.posts recentes

. Le Pen, Macron e o Fascis...

. Entre a espada e a parede

. Trabalho com precariedade

. Saindo da UE

. A rapina de Timor-Leste: ...

. Empresa de limpeza em Tel...

. De quem é o vírus Zika?

. Bem-vindos ao apartheid d...

. Adolescente americana ame...

. Perante o caos, o saque e...

. A canalhice final contra ...

. Atirá-los ao mar

. Pensar a violência

. O que queremos dizer quan...

. “Je Suis CIA”


Tecnologia de FreeFind

.Arquivos

.subscrever feeds

blogs SAPO
Sábado, 7 de Junho de 2008

Futebol Perpétuo

Vai ser um mês futeboleiro. Na Suiça e na Áustria começa, a 7 de Junho, o Campeonato Europeu. Enfrentam-se dezasseis selecções nacionais, em 31 partidas, até à final de domingo dia 29 em Viena, no renovado recinto Ernst Happel (antigo Estádio Prater, usado durante a Segunda Guerra Mundial como campo de detenção de judeus austríacos...)

 

A Áustria espera a chegada de 1,5 a 2 milhões de visitantes. Um aumento de 25% da sua população! Pouca coisa no entanto, comparando com os quinze mil milhões de espectadores que irão ver a competição na televisão (1). Essa colossal massa de consumidores constitui um Eldorado que muitos cobiçam. O futebol já se converteu num espectáculo televisivo. Pertence menos ao mundo do esforço físico do que à esfera da cultura de massas. As suas estrelas são as personalidades mediáticas mais universais. No recente Festival de Cannes, o “futebolista do século”, Diego Maradona – a quem o cineasta Emir Kusturica consagrou um documentário – foi o “astro” mais aplaudido.


E Ken Loach, um dos realizadores cinematográficos com mais prestígio (ganhou a Palma de Ouro em Cannes em 2006, com o filme “Brisa de Mudança” - titulado no Brasil como “Ventos da Liberdade” ), está a realizar, com outro jogador mítico, Eric Cantona, uma película sobre os feitos do Manchester United, vencedor da última Liga dos Campeões.

 

O futebol é mais do que um desporto. Como dizem os sociólogos, é um “facto social total”. Traduz a complexidade de uma época. Seduz pelas suas regras simples. Pela sua combinação de talentos individuais e de esforço colectivo. É uma metáfora da condição humana. Com mais perdedores do que ganhadores. Onde nem tudo é épico. Os mais esforçados, como na vida, nem sempre vêem os esforços recompensados. Há reveses da sorte, trapaças, injustiças. Muitas vezes também maus momentos e desespero.

Ao mesmo tempo é uma alegoria da guerra (ou da luta pela vida). A sua terminologia denuncia-o: “atacar”, “defender”, “disparar”, "contra-atacar", "resistir", "fuzilar", "matar", "vencer", "derrotar". Ver uma partida pode provocar ansiedade, tensão... e até enfartes.

É também um desporto político por antonomásia. Situa-se na confluência de questões contemporâneas como a pertença, a identidade, a condição social, e inclusive – pelo seu carácter algoz e místico – a religião. Com as suas arquibancadas abarrotadas, os estádios prestam-se aos cerimoniais nacionalistas e aos rituais identitários ou tribais que desembocam por vezes em confrontos entre seguidores fanáticos.


Alguns qualificam o futebol de “praga emocional” ou de “peste delirante”. Outros continuam a considerar que é o desporto-espectáculo mais fascinante. Embora não ignorem as suas marcas que a globalização veio agravar. Porque ele enaltece a paixão pelo dinheiro e valoriza sobretudo os aspectos económicos.

A propósito do Campeonato da Europa, os patrocinadores (bebidas, roupa desportiva, automóveis, etc.) pagaram mais de 400 milhões de euros. E os direitos de transmissão televisiva e por telemóvel, adquiridos por 170 países, venderam-se por mais de mil milhões de euros. A FIFA dispõe de um orçamento superior ao de um país como a França, e incentiva o processo de liberalização económica do futebol.

Adidas, Nike, Puma e Umbro inundam o planeta com as suas mercadorias encantadas: sapatilhas, camisolas, bolas, fabricadas nas zonas mais empobrecidas do mundo, por operários sobre-explorados e vendidas a preço de ouro nos países ricos. Uma camisola desportiva, que custa em Espanha uns 75 euros, equivale a três meses de salário de uma criança trabalhadora na Índia. O futebol revela assim as contradições e as explorações que singularizam a globalização, e suas desigualdades mais manifestas.

Algumas equipas estão agora cotadas na Bolsa como qualquer outro valor. De modo que o que está em jogo em certas partidas, sem que nem os adeptos nem os futebolistas o saibam, é a subida ou a descida do preço da acção da equipa-empresa. Por ambição de lucro, muitos milionários investem em clubes de futebol. Sobretudo na Liga inglesa. O mais conhecido é o russo Roman Abramovich – o cidadão com menos de 40 anos mais rico do mundo (13,7 mil milhões de euros) – proprietário do Chelsea. O multimilionário norte-americano Malcolm Glazer, comprador do Manchester United, por mais de mil milhões de euros. Ou o também russo, Alexandre Gaydamak, de 32 anos, dono do Portsmouth, vencedor em Maio passado da Taça de Inglaterra. O objectivo destes investidores é aumentar ao máximo a sua rentabilidade. Imitando o modelo do capitalismo desportivo norte-americano.


Resultado desta globalização do futebol inglês (que as outras ligas europeias querem imitar): as equipas britânicas açambarcaram os grandes jogadores. No Campeonato do Mundo da Alemanha, em 2006, a Liga inglesa obteve o maior número de seleccionados internacionais (14%). E os clubes ingleses dominaram este ano a Liga dos Campeões.

Reverso da medalha: alguns dos conjuntos mais célebres, como o Arsenal, não vendem nenhum jogador inglês. Pior ainda, a equipa nacional de Inglaterra não conseguiu nem sequer classificar-se para a fase final do Campeonato da Europa.

Europa Futebol

Cartoon de Alex Falcó Chang


O mercado, o dinheiro e a ausência de escrúpulos estão a impor ao futebol a lei do mais rico. Ainda que por um mês – o Campeonato da Europa faça ilusão, o patriotismo das marcas privadas está a impor-se. Assim o determina a tirania do mercado.

 

Por vezes qualifica-se de “ópio do povo” a religião que junte a sua função alienante à função de distrair as pessoas da exploração a que são submetidas. O futebol tem hoje idêntica função. Por isso a globalização quer condenar-nos, de certo modo, ao futebol perpétuo. Para nos domesticar. Para que nunca despertemos da nova alienação. Até quando?


Notas:
(1) Em audiência acumulada.

 

 

Texto de Ignacio Ramonet publicado na Rebellion (originalmente no jornal Le Monde Diplomatique). Tradução de Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 19:45
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De reb a 8 de Junho de 2008 às 19:44
Foi bom descobrir este blog:) Parabéns!

Andava eu, lá no meu canto, a perguntar se alguém conhecia algum estudo sociológico sobre a importância do futebol no nosso mundo global, e em particular no dos portugueses que, sempre que a selecção joga, esquecem todas as crises e parecem o povo mais feliz do planeta....e dou com esta análise..
Acrescento que sou tão portuguesa como todos os outros e vibro com as nossas vitórias :)

Obrigada por pensares...
De Alexandre Leite a 8 de Junho de 2008 às 20:20
Então bem-vinda reb!

Se o problema fosse "sempre que a selecção joga" ainda não era mau de todo... Eram 90 minutos de vez em quando. O escandaloso é todo o circo montado à volta.

Vai aparecendo que temos quase sempre 1 ou 2 novos artigos todas as semanas.

Comentar post


Todos os textos aqui publicados são traduções para português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Crise Alimentar

A maior demonstração do falhanço histórico do modelo capitalista



Em solidariedade com a ACVC

Camponeses perseguidos na Colômbia

"Com a prosperidade dos agrocombustíveis, a terra e o trabalho do Sul estão outra vez a ser explorados para perpetuar os padrões de consumo injusto e insustentável do Norte"



Investigando o novo Imperialismo

↑ Grab this Headline Animator


.Vejam também:

Associação de Solidariedade com Euskal HerriaManifesto 74
Sara Ocidental Passa Palavra
XatooPimenta NegraO ComuneiroODiárioResistir.InfoPelo SocialismoPrimeira Linha
Menos Um CarroJornal Mudar de Vida
Blogue OndasBioterra





InI Facebook

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.