WTC7

.posts recentes

. Le Pen, Macron e o Fascis...

. Entre a espada e a parede

. Trabalho com precariedade

. Saindo da UE

. A rapina de Timor-Leste: ...

. Empresa de limpeza em Tel...

. De quem é o vírus Zika?

. Bem-vindos ao apartheid d...

. Adolescente americana ame...

. Perante o caos, o saque e...

. A canalhice final contra ...

. Atirá-los ao mar

. Pensar a violência

. O que queremos dizer quan...

. “Je Suis CIA”


Tecnologia de FreeFind

.Arquivos

.subscrever feeds

blogs SAPO
Sábado, 26 de Julho de 2008

Hipócritas

 Os que durante tanto tempo silenciaram as legítimas razões do Povo sarauí e o seu profundo grito de angústia e de dor.

 

Os que sistematicamente silenciaram as atrocidades da hierarquia civil, militar e religiosa do Makhzen marroquino contra o Povo sarauí.

 

Os que desviaram e abafaram o clamor sublevado do Povo espanhol em apoio dos seus irmãos sarauís.

 

Os que forjaram obscuras alianças com um regime corrupto, criminoso, colonial-imperialista e genocida.

 

Os que incluíram o Sara Ocidental e a sua população autóctone no “pacote” do pensamento único e neocon franco-estadounidense.

 

Os que pretenderam “encapsular o conflito do Sara” para poder entregar-se totalmente a outros assuntos mais rentáveis.

 

Os que assessoraram e financiaram a construção e armamento do maior Muro militar da nossa Era e a ingente minagem do território sarauí.

 

Os que estabeleceram acordos com o fátuo e irredentista Governo marroquino para espoliar as riquezas naturais do Sara Ocidental.

 

Os que planearam friamente, a partir de sinistros despachos e gabinetes, a ignominiosa Marcha Verde e os infames, ilegais, imorais e politicamente suicidas Acordos Tripartidos de Madrid de 1975.

 

Os que, quando lhes conveio, deram publicamente a razão ao Povo sarauí, o alentaram na sua luta contra o invasor e lhe asseguraram que “o seu Partido” estaria com eles até à vitória final; e, depois, o esqueceram e abandonaram nas garras de um regime criminoso e seus aliados “africom”.

 

Os que geriram a “exemplar” Transição espanhola para a Democracia e esqueceram a memória histórica, renunciando à anulação dos Acordos Tripartidos do tão insultado regime franquista e o reconhecimento da República Árabe Sarauí Democrática (RASD) como Estado de Direito, independente, soberano e livre de verdugos, espoliadores e criminosos.

 

Os que silenciaram o massacre genocida do Povo sarauí, metralhado na sua fuga e bombardeado com napalm, fósforo branco e bombas de fragmentação, a partir de aviões fabricados em Estados “democráticos”.

 

Os que condecoram presumíveis criminosos e vendem e oferecem armamento ao regime alauita, com soturnidade e aleivosia, violando a legalidade e a vontade silenciada da imensa maioria do Povo espanhol.

 

Os que tão rapidamente esqueceram que o movimento solidário com o Povo sarauí é “o mais nobre e o melhor” que tem a sociedade espanhola, em palavras já gastas do líder do PSOE e ex presidente do Governo de Espanha, Sr. Felipe González.

 

Os que eludem as suas responsabilidades históricas, morais, legais e políticas, não exigem o respeito e a aplicação terminante da legalidade internacional, e pretendem dar lições de “moral na Hamada”.

 

Os que, apesar de todas as suas tentativas de escamotear a realidade dos factos e a verdade histórica, reconhecem agora que a Lei e a Justiça está do lado do Povo sarauí, mas se submetem uma e outra vez perante o que eles denominam “realidade política” (consentida e fomentada), isto é, o império da força, a invasão e ocupação militar do Sara Ocidental, a instalação ilegal de centenas de milhares de colonos estrangeiros, a feroz e sistemática repressão quotidiana contra a população civil sarauí.

realpolitik

 

Os que tentaram e continuam a tentar, de qualquer forma e feitio, rotular de “terrorista” a Frente POLISÁRIO e o mais pacífico e paciente dos povos do Mundo.

 

Os que tentaram enganar e dividir –com argúcias, silêncios e mentiras- o movimento de solidariedade com o Povo sarauí.

 

Os que jamais souberam como coser um botão no deserto, o qual apenas conhecem das películas visionadas no seu cómodo cadeirão de burocratas metropolitanos, e não padeceram –ou já o esqueceram- de fome e sede de Justiça.

 

Os que generosamente colocaram os seus meios de desinformação ao serviço dos porta-vozes makhzenários (mercenários) e seus aliados imperiais, negando a voz e a palavra aos defensores da Justiça e da Legalidade internacional.

 

Os que obrigaram à demissão de James Baker e ocultaram e silenciaram as denúncias e testemunhos de autoridades na matéria, como os do ex embaixador dos EUA, Frank Ruddy, e tantos outros.

 

Aqueles altos funcionários colocados à frente da MINURSO com a explícita missão de impedir o nascimento de um Estado genuíno, livre e independente ao Sul da fronteira de Marrocos, e que cumpriram tal missão “com muito gosto”.

 

Aqueles a quem jamais importou a vida de uma criança sarauí, nem de mulheres, idosos, nem nada de nada, salvo os seus interesses, o seu bem-estar, a sua segurança e os seus benefícios, e que agora clamam, hipocritamente, pelo padecimento de crianças sarauís no Hamada, o mais duro e inóspito dos desertos.

 

Os que, carecendo já de “argumentos” autênticos e credíveis, utilizam agora as crianças sarauís como “novo argumento” para tentar vergar o Povo sarauí e fazê-lo renunciar os seus legítimos e inalienáveis direitos, reconhecidos desde 1960 pela ONU, pela OUA/UA e pela Comunidade Internacional, sem sequer mencionar os culpados, responsáveis e causadores da tragédia ocasionada, sofrida exclusivamente pelo Povo agredido e massacrado, tragédia a qual gostam de disfarçar com o eufemismo de status quo.

 

Os que não trouxeram nem uma única escola ou instituto de ensino, nem sequer um mísero professor de língua espanhola (ou de qualquer outra coisa) para preservar o idioma de Cervantes nos atormentados acampamentos dos refugiados sarauí, único Povo árabe que mantém o espanhol como língua oficial do Estado.

 

Os que agora se esfarrapam –assim nos querem fazer crer- perante o enorme sofrimento desse Povo tão generoso, hospitaleiro e agradecido, e cuja paciência e ânsias de paz foram demonstradas até aos limites da extenuação.

 

Os que jamais trouxeram um euro para alimentar o depauperado Povo sarauí (a utilização da fome como arma militar e política), nem colaram nenhum auto-colante, nem repartiram um manifesto de denúncia desse status quo ou de apoio à Causa Sarauí, e tão generosamente emprestam a sua voz aos desejos do Makhzen.

 

Os que mantiveram, e fizeram manter, um bendito silêncio perante os desmandos e a permanente violação dos Direitos Humanos, por parte das autoridades marroquinas, nos Territórios Ocupados do Sara Ocidental.

Mapa Sara Ocidental

 

Os que negam o visto a dirigentes sarauís com a finalidade de os impedir de assistir à Conferência Internacional de Juristas pelo Sara, em Las Palmas de Gran Canaria, para não desagradar ao regime alauita ou simplesmente “cumprindo ordens” superiores.

 

Os que amontoam na gaveta da Redacção, ou atiram directamente para o lixo, as incontáveis cartas e escritos dos leitores ou cidadãos indignados com a situação, o silêncio ou a tergiversação das questões que realmente importam para a opinião pública, e não têm a coragem de procurar a verdade e proclamá-la, tal qual ela é, aos quatro ventos.

 

Os que, para evitar problemas, optaram por submeter-se ao diktat do Makhzen, do Governo ultra e neocon do Império e dos seus elitistas e refinados aliados franceses.

 

Os que aproveitaram, ou aceitaram sem resmungar, toda a bateria de artimanhas do invasor-genocida-ocupante ilegal para impedir a descolonização da última colónia em África, utilizar o Povo sarauí como moeda de troca e fazer bons negócios à sua custa e nas suas costas.

 

Os que aparentam agora sentir pena pela situação dos mais pequenos desse Povo expulso da sua terra, e estão há trinta e três anos sem mexer os seus lábios para denunciar as atrocidades dos responsáveis marroquinos.

 

Os que pretendem enganar a opinião pública dizendo ou insinuando que a Frente POLISÁRIO é a responsável desta calamitosa situação, quando é precisamente a Frente que está há mais de três décadas a proteger o seu Povo, denunciando a situação perante a comunidade internacional, construindo um Estado no exílio, uma sociedade livre e democrática, e procurando incansavelmente uma solução legítima, digna e duradoura de acordo com os princípios mais elementares da legalidade internacional.

 

Os que enganam o Povo marroquino e desviam a sua atenção dos seus verdadeiros interesses e da causa e origem dos seus autênticos problemas, enaltecendo-o e fazendo-o acreditar que o Sara lhes pertence, contrariamente ao dito por todas as resoluções e ditames das instâncias internacionais.

 

Os que querem fazer-nos crer que a Frente POLISÁRIO –movimento de libertação nacional- deve ocupar-se também, ainda, de “democratizar” o dificilmente qualificável regime político marroquino, contrariando assim –como historicamente têm vindo a fazer a CIA & Co.- o princípio internacionalmente reconhecido de não ingerência nos assuntos internos de outros países e procurando não mencionar –os que assim sonham- como “trata” o regime alauita aqueles que ousam pedir justiça e liberdade para o seu Povo, quer seja o sarauí ou o marroquino. Esta responsabilidade, que incumbiria, se fosse o caso, a instâncias internacionais e às grandes potências, é deixada de gorjeta à Frente POLISÁRIO!

 

Os que evitam apresentar uma solução similar à aplicada para a descolonização de Timor Oriental, a outrora colónia portuguesa invadida pela Indonésia e hoje uma nação livre, independente e soberana graças à tão dolorosa luta do Povo timorense e à correcção dos erros anteriores da metrópole, Portugal. Incoerente, absolutamente incoerente, é que os dirigentes portugueses evitem hoje tratar do mesmo modo o Sara Ocidental; mas “compreensível”, tendo em conta a fotografia dos Açores.

 

Os que aplicam o capítulo VII da Carta das Nações Unidas ao caso do Kuwait ou ao dos barcos piratas no Índico e se negam a aplicar essas mesmas disposições legais internacionais aos piratas do Makhzen, exigindo e obrigando o Governo de Marrocos a retirar-se da colónia invadida e ocupada ilegal e ilegitimamente, a sangue e fogo, e a consentir de imediato a celebração do referendo de autodeterminação mandatado pela ONU (“MINURSO”), com todas as opções abertas e todas as garantias legais e democráticas.

 

Os que impõem a independência do Kosovo, à margem da legalidade internacional, e negam sequer a possibilidade dessa opção a um Povo que tem todos os avais legais da comunidade internacional.

 

Os cavernícolas, ignorantes e reaccionários da Espanha profunda que, ainda hoje, em pleno século XXI, se atrevem a culpar o próprio Povo sarauí da sua trágica situação “por ter querido ficar independente dos espanhóis”, ignorando a história de tantos processos de descolonização (um milhão de mortos no caso da Argélia) e a típica “reacção reaccionária” (contra a História) das metrópoles; e acreditando, ainda hoje, que os povos colonizados devem a vida à metrópole.

 

Os que, em vez de fazerem um bom uso dos instrumentos legais de que se dotou a Humanidade (como o Capítulo VII da Carta da ONU) para a resolução pacífica e efectiva de “conflitos” como o do Sara Ocidental (tão óbvio que os juristas o qualificam de “res ipsa loquitur”, a coisa fala por ela própria), pretendem fazer-nos engolir a farsa de sentar a uma mesa de “negociação” duas partes absolutamente desiguais: uma, a todas as luzes culpada (res ipsa loquitur), prepotente, armada até aos dentes e com a ocupação já consumada e financiada; e a outra, absolutamente inerme e desprotegida, com as únicas armas da força da razão, a legalidade internacional, a experiência histórica de todas as descolonizações e o imenso apoio da sociedade civil e do movimento internacional de solidariedade com a Causa do Povo Sarauí.

 

A todos eles, este insignificante cidadão do Mundo, exclusivamente no seu próprio nome e sob sua exclusiva responsabilidade, os acusa por acção ou por omissão, e lhes chama simplesmente hipócritas.

 

 

Texto de Luis Portillo Pasqual del Riquelme (doutorado em Ciências Económicas, funcionário do Estado e ex professor de Estructura Económica Internacional na Universidade Autónoma de Madrid) publicado em Julho de 2008 na Tlaxcala. Tradução de Alexandre Leite para a Tlaxcala.

publicado por Alexandre Leite às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

Todos os textos aqui publicados são traduções para português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Crise Alimentar

A maior demonstração do falhanço histórico do modelo capitalista



Em solidariedade com a ACVC

Camponeses perseguidos na Colômbia

"Com a prosperidade dos agrocombustíveis, a terra e o trabalho do Sul estão outra vez a ser explorados para perpetuar os padrões de consumo injusto e insustentável do Norte"



Investigando o novo Imperialismo

↑ Grab this Headline Animator


.Vejam também:

Associação de Solidariedade com Euskal HerriaManifesto 74
Sara Ocidental Passa Palavra
XatooPimenta NegraO ComuneiroODiárioResistir.InfoPelo SocialismoPrimeira Linha
Menos Um CarroJornal Mudar de Vida
Blogue OndasBioterra





InI Facebook

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.