WTC7

.posts recentes

. 'Bilderbergues' do mundo,...

. A BBC dá uma grande revir...

. Cresce a revolta em Faluj...

. Mentiras do Irão

. Porque é que a Rússia e a...

. Desinformação mediática

. A Grande Mentira Branca (...


Tecnologia de FreeFind

.Arquivos

.subscrever feeds

blogs SAPO
Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

'Bilderbergues' do mundo, uni-vos!

 “No Iraque Pós-Guerra, Usar as Forças Militares para Defender Interesses Vitais dos EUA, Não para a Reconstrução da Nação” — Fundação Heritage

 

E caso não tenham percebido a ideia, o mesmo documento da Fundação Heritage, datado de 25 de Setembro de 2002 prossegue dizendo-nos,

“Proteger as infra-estruturas iraquianas de sabotagem interna ou de ataques estrangeiros para recolocar o Iraque nos mercados globais da energia e para assegurar que os EUA e os mercados mundiais de energia tenham acesso aos seus recursos.”[1]

 

Heritage Foundation

 

Tudo o que disser o contrário na imprensa estatal ou corporativa é apenas propaganda e/ou mentiras. Ponto final parágrafo.

 

Oleando as engrenagens do capitalismo com petróleo

 

O ponto de viragem no qual o petróleo tomou o lugar central aconteceu significativamente quando se iniciou o século XX e os navios imperiais mais poderosos, os alemães e os britânicos, deixaram o carvão e passaram e utilizar o petróleo. A partir desse ponto os destinos da Pérsia e do mundo árabe tornaram-se irrevogavelmente centrais para as ambições imperialistas ocidentais. Foi tanto assim que até à data estamos a viver (e a morrer) com os resultados, mais notavelmente os palestinianos e os iraquianos, sem esquecer as duas Guerras Mundiais onde o petróleo foi fulcral para todos as partes em combate, não apenas para a luta como para o controlo.

 

“Raramente discutido, no entanto, é o facto dos objectivos geo-políticos estratégicos da Grã-Bretanha, muito antes de 1914, incluírem não apenas o esmagamento o seu maior rival industrial, a Alemanha, mas, pela conquista através da guerra, o assegurar um controlo britânico inquestionável sobre o precioso recurso que, já em 1919, provava ser a matéria-prima estratégica de futuros desenvolvimentos económicos – o petróleo.” — ‘A Century of War’, F William. Engdahl, pág.38.[2]

 

O petróleo aumentou o alcance dos navios imperiais para dar a volta ao globo sem necessidade de reabastecimento, permitindo que a marinha britânica tomasse controlo dos oceanos e rotas comerciais do mundo. Um dos objectivos da Primeira Guerra Mundial era negar à Alemanha o acesso aos campos petrolíferos recém-descobertos onde agora é o Irão. Isto significava controlar o acesso ao Médio Oriente onde os britânicos controlavam o Canal do Suez (‘roubado’ aos franceses), o que eventualmente determinou o destino do povo da Palestina e de todo o Médio Oriente.

 

Claro que o petróleo é apenas um componente mas sem ele nada funciona, muito menos um exército mecanizado. Sem petróleo não há nada daquilo que o mundo moderno está dependente.

 

‘O jornal Energy Bulletin de 17 de Fevereiro de 2007 assinala que o consumo de petróleo dos aviões, barcos, veículos e instalações do Pentágono fazem dele o maior consumidor de petróleo do mundo. Nessa altura, a marinha dos EUA tinha 285 barcos de combate e de apoio e cerca de 4000 aviões em operação. O exército dos EUA tinha 28,000 veículos blindados, 140,000 veículos multi-usos de alta mobilidade, mais de 4,000 helicópteros de combate, várias centenas de aeronaves e uma frota de 187493 veículos. Exceptuando os 80 submarinos e porta-aviões nucleares, que libertam poluição radioactiva, todos os outros veículos consomem petróleo.’[3]

 

Os meios de comunicação corporativos, se alguém grita ‘Petróleo!’ quando se fala do Iraque, querem que acreditemos que essa pessoa é uma espécie de maluco, daqueles que são raptados por Ovnis, nada mais nada menos que uns adeptos da ‘teoria da conspiração’.

 

Em 2003, quando os EUA e o Reino Unido invadiram o Iraque, eu fiquei espantado com os argumentos desesperados da imprensa corporativa de que a invasão não tinha nada a ver com o petróleo, acusando os que afirmavam que o petróleo tinha tudo a ver com a invasão, de serem uns loucos adeptos da teoria da conspiração a obviamente a viverem na Área 51.

 

“Abundam as teorias da conspiração …. Outros defendem que foi por causa do petróleo…. Teoria que não faz sentido.” The Independent, 16 de Abril de 2003.

 

Mundo Viciado em Petróleo

O Mundo Viciado em Petróleo

(Manny Francisco, Manila,Filipinas)

 

Pelo contrário, as empresas do petróleo não se fizeram rogadas em vir falar sobre o papel fulcral do petróleo na invasão do Iraque, ecoando o que disseram os engravatados da Fundação Heritage:

 

“Eu diria que especialmente as empresas petrolíferas dos EUA… anseiam por um Iraque aberto ao negócio [depois do derrube de Saddam],” disse um executivo de uma das maiores empresas petrolíferas do mundo.”

“O que eles [os neo-conservadores do governo Bush] têm na ideia é a desnacionalização, e a divisão em parcelas do petróleo iraquiano para as empresas americanas. Nós conquistamos o Iraque, instalamos o nosso regime, produzimos petróleo ao máximo e dizemos à Arábia Saudita que vá para o inferno.” James E. Akins, antigo embaixador dos EUA na Arábia Saudita.

 

“Irá provavelmente ditar o fim da OPEP.” Shoshana Bryen, director de projectos especiais do JINSA (Instituto Judeu para Assuntos de Segurança Nacional), isto é, depois da queda do Iraque e da privatização do seu petróleo.

“As empresas americanas terão uma grande oportunidade com o petróleo do Iraque,” Ahmed Chalabi no jornal Washington Post.

 

Em “O Futuro do Iraque Pós-Saddam: Um Plano para o Envolvimento Americano”, uma série de documentos de Fundação Heritage, é desenvolvido um plano para a privatização do petróleo do Iraque e de facto para a privatização de toda economia iraquiana.[4]

 

Será uma conspiração? Bem, isso depende de como definem essa palavra. As definições do dicionário são estas:

  1. o acto de conspirar.
  2. um plano malévolo, ilícito, traiçoeiro, ou subreptício formulado em segredo por duas ou mais pessoas;
  3. uma combinação de pessoas com um propósito secreto, ilícito, ou malévolo.
  4. Jur. um acordo entre duas ou mais pessoas para cometerem crime, fraude, ou outro acto incorrecto.
  5. Qualquer concorrência de acções; conluio para obter um dado resultado.

Eu penso que todas colectivamente se encaixam na descrição da invasão do Iraque, afinal Bush e Blair conspiraram para burlar o mundo através da fabricação de provas sobre as armas de destruição em massa do Iraque de modo a invadirem ilegalmente o país. Eles conspiraram (com outros) para destruir um país e roubar os seus recursos, ergo: uma conspiração.

Dito isto, há aqueles que vão muito mais longe, afirmando que há uma conspiração global que já remonta desde há cem anos entre as classes políticas dos Estados Unidos e do Reino Unido que, em conjunto com poderosos banqueiros e conglomerados da energia, conseguiram controlar o planeta, os seus recursos, mercados e trabalhos. Mas será isso uma conspiração ou é meramente o imperialismo a fazer o que sabe melhor: roubar, matar e colonizar? Por outras palavras, precisamos de uma conspiração para explicar os acontecimentos? E se realmente existe uma conspiração há mais de cem anos? Isso não muda nada, continuamos a confrontar-nos com as mesmas forças.

 

O que é preciso perguntar é: Por que é que os meios de comunicação corporativos/estatais insistem em usar a palavra conspiração para ridicularizar quem questione a ortodoxia vigente? A resposta é imediatamente óbvia: a palavra conspiração foi distorcida de modo a não significar a sua definição do dicionário, mas sim tudo o que desafie as razões apresentadas pelos nossos mestres políticos sobre o funcionamento das coisas.

 

A História está repleta de todo o género de conspirações estatais e/ou corporativas, desde o Incêndio no Reichstag à provocação no Golfo de Tonkin, ou ao derrube feito pela CIA/ITT de Allende no Chile, às não existentes armas de destruição em massa do Iraque, daí a necessidade de não deixar que se estabeleça uma ligação entre o petróleo e o Iraque/Irão/Afeganistão, só para o caso das pessoas chegarem às conclusões certas sobre por que é que acontecem as coisas.

A linguagem é assim mutilada para servir os objectivos da classe corporativa, isto com a ajuda dos verdadeiros doidos das conspirações, que vêm tudo como uma conspiração, por vezes iniciadas há séculos atrás e que envolvem cabalas secretas de um ou de outro tipo. Ligar a esquerda a esta malta serve para degradar o nosso argumento e seguramente é esse o objectivo.

 

Não há dúvidas que a classe criminosa internacional traça ligações, projecta e planeia. É isso que o Council on Foreign Relations [Conselho de Relações Estrangeiras - EUA] (CFR) faz, tal como a Chatham House (Instituto Real de Assuntos Internacionais), o equivalente no Reino Unido, e ambas as organizações foram montadas no início do século XX com o fortalecimento da ‘Aliança Anglo-Saxónica’. A lista de membro do CFR ilustra o facto de os principais governos ocidentais serem efectivamente servos do Grande Capital.

 

Tal qual o grupo Bilderberg, composto por ‘capitães internacionais da indústria’ e políticos-chave das classes políticas dos principais estados capitalistas. Mas será isto uma conspiração? A um certo nível, não. No fundo é legítimo que as classes dominantes se organizem e planeiem. É por isso que Washington DC está a rebentar pelas costuras com tantas ‘Fundações’ e ‘Institutos’. Desde o final da Segunda Grande Guerra, milhares de milhões de dólares tanto públicos como privados, foram despejados nessas organizações. O seu objectivo? Espalhar o ‘mercado livre’ e combater quem se oponha, por meios correctos ou por meios pouco correctos.

 

‘“…os homens mais poderosos do mundo reuniram-se pela primeira vez” em Oosterbeek, Países Baixos [há mais de cinquenta anos], “debateram o futuro do mundo,” e decidiram reunir-se anualmente em segredo. Apelidaram-se de Grupo Bilderberg e os seus membros representam a nata das elites dominantes mundiais, principalmente da América, Canadá e Europa Ocidental, com nomes familiares como David Rockefeller, Henry Kissinger, Bill Clinton, Gordon Brown, Angela Merkel, Alan Greenspan, Ben Bernanke, Larry Summers, Tim Geithner, Lloyd Blankfein, George Soros, Donald Rumsfeld, Rupert Murdoch, outros chefes de estado, senadores influentes, congressistas e deputados, responsáveis do Pentágono e da NATO, membros da realeza europeia, figuras mediáticas seleccionadas, e outros convidados – alguns em segredo segundo algumas fontes, como Barack Obama e muitos dos seus oficiais de topo.” — ‘A Verdadeira História do Grupo Bilderberg’ Por Daniel Estulin.[5]

 

É claro que o capitalismo moderno evoluiu ao longo de gerações e gerações com toda a aparência de uma conspiração em amplo sentido, e uma do mais sofisticado que há, empregando um vasto exército de operacionais que incluiu elementos fulcrais nos meios de comunicação, academias, homens de negócio e políticos, quer dentro ou fora da governação. Uma ‘conspiração’ para manter o capitalismo como a única forma permissível de sociedade, como poderia ser de outra forma? Simplesmente há muita coisa em jogo e para provar isso basta-nos ver como esta poderosa elite internacional de negócios/governos/meios de comunicação conspirou para matar a COP15 [Conferência da ONU sobre as mudanças climáticas, que decorreu em Copenhaga] independentemente das consequências.

 

Ligações familiares, de formação, e de negócios —com o estado como ‘mediador’— criaram aquilo que é agora uma rede internacional que liga as classes dominantes dos mais poderosos estados capitalistas. É por isso que eles têm um Grupo Bilderberg, é onde os líderes dos negócios, a classe política, académicos e membros seleccionados dos meios de comunicação se encontram e formulam estratégias e tácticas, necessárias num mundo onde as comunicações são agora virtualmente instantâneas. Não serve ter governos a fazerem declarações que estão fora da linha do ‘consenso’, como acontece de tempos a tempos, e a ilusão esfuma-se por breves momentos.

Num mundo onde as forças económicas dominantes são poucas centenas de grandes corporações, corporações que de facto asseguram que os seus respectivos governos promovem políticas favoráveis à sua sobrevivência e que aumentem a prosperidade dos seus principais accionistas, a coisa lógica a fazer é combinarem sobre os assuntos que os afectam a todos. Eu ficaria extremamente surpreendido se o Grupo Bilderberg ou outro parecido, não existisse.

E os assuntos são fáceis de adivinhar: controlo/propriedade e acesso aos recursos; acesso a mão-de-obra barata; livre movimento de capitais; e por último, mas não menos importante, neutralizar os que desafiam o domínio do capital onde quer que eles apareçam.

 

Alinhado contra nós, o povo, está um vasto aparelho de controlo e manipulação que envolve órgãos governamentais, ‘não’-governamentais, fundações privadas, meios de comunicação, estatais e corporativos, ‘entretenimento’ em todas as suas extraordinárias formas, think tanks, institutos, fundações, academias, órgãos formais e informais, quer nacionais quer internacionais, associações, ONGs e ‘ONGs’, instituições de solidariedade e ‘instituições de solidariedade’, todas elas fortemente subsidiadas pelo estado e/ou corporações. Quem precisa dos ‘Illuminati’ quando temos todos estes alinhados contra nós?

 

Notas

1. Ver ‘In Post-War Iraq, Use Military Forces to Secure Vital U.S. Interests, Not for Nation-Building’ por Baker Spring e Jack Spencer, Backgrounder #1589, 25 de Setembro de 2002.

“A Administração deveria tornar claro que a presença militar dos EUA no Iraque após a guerra pretende assegurar interesses vitais dos EUA, não serve para o exercício da chamada construção de uma nação — a política aberta da Administração Clinton da enviar tropas americanas para regiões problemáticas onde não estavam ameaçados interesses vitais dos EUA.”

2. Penso que a melhor (e mais sucinta) análise deste período é a que foi feita por F. William Engdahl no seu livro ‘A Century of War’ Anglo-American Oil Politics and the New World Order’. Podem ver a minha crítica ao livro aqui. Comprem o livro aqui na Pluto Books.

3. Ver ‘Pentagon’s Role in Global Catastrophe: Add Climate Havoc to War Crimes’ por Sara Flounders com dados sobre o gigantesco apetite por petróleo por parte do exército norte-americano.

E aqui têm a fonte, ‘US military oil pains’ por Sohbet Karbuz, Energy Bulletin, 17 de Fevereiro de 2007. Note-se que os dados usados no artigo já têm mais de dois anos e estão longes de estarem completos, já que apenas incluem o petróleo comprado directamente pelo Departamento da Defesa dos EUA. Quaisquer que sejam os números eles estão a subir, provavelmente tão alto como 30 mil milhões de dólares anualmente, sem nenhum sinal de redução no horizonte, pelo menos de acordo com o Departamento da Defesa:

““No ano fiscal de 2005, o DESC [Departamento de Energia] irá comprar cerca de 128 milhões de barris de combustível com um custo de 8.5 mil milhões de dólares, e o combustível para aviação constitui perto de 70% das compras de produtos petrolíferos do Departamento da Defesa.”

“Para alguns, isto ainda não é suficiente. “Como o consumo de petróleo do Departamento da Defesa representa a maior prioridade de todos os usos, não haverá limites fundamentais ao fornecimento de combustível do Departamento da Defesa durante muitas e muitas décadas.”” — ‘United States Department of Defense … or Empire of Defense?’ Por Sohbet Karbuz, 6 de Fevereiro de 2006

4. http://www.heritage.org/Research/MiddleEast/bg1632.cfm,
http://www.heritage.org/Research/MiddleEast/bg1633.cfm

5. Ver ‘The True Story of the Bilderberg Group and What They May Be Planning Now.’ Uma crítica ao livro de Daniel Estulin feita por Stephen Lendman

 

 

Texto de William Bowles publicado a de 14 de Janeiro de 2010 em Creative-I. Tradução de Alexandre Leite para a Tlaxcala.

publicado por Alexandre Leite às 12:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007

A BBC dá uma grande reviravolta

Como reescrever completamente a história, ainda antes da tinta secar

Pergunta: Quando é que um Plano não é um Plano?
Resposta: Quando o Plano não é um Plano, Plano.


A BBC está actualmente a emitir um programa em duas partes intitulado “No Plan, No Peace – the Inside Story of Iraq’s Descent into Chaos [Não Há Plano, Não Há Paz – A História Da Queda do Iraque no Caos]” (28 e 29 de Outubro na BBC1).

 

BBC One

Há muito tempo atrás, e entretanto várias vezes, eu afirmei que nunca esteve para haver um plano (pelo menos no sentido geralmente aceite da palavra), e de facto em 2003, o regime Bush declarou que derrubar Saddam nunca se relacionou com a “construção de um país”,

“Para tornar claro que a operação militar dos EUA no Iraque, no pós-guerra, não é um exercício de construção de um país, a Administração Bush deve declarar que o exército dos EUA irá para o Iraque para segurar os interesses vitais dos EUA pelos quais a campanha foi lançada, logo de início. Especificamente, os objectivos desta guerra devem ser:

Proteger a infraestrutura energética do Iraque contra sabotagens internas ou externas, fazer regressar o Iraque aos mercados de energia, e assegurar que os EUA e os mercados mundiais de energia tenham acesso aos seus recursos.” In Post-War Iraq, Use Military Forces to Secure Vital U.S. Interests, Not for Nation-Building por Baker Spring e Jack Spencer. Backgrounder #1589, 25 de Setembro, 2002 www.heritage.org/Research/MiddleEast/bg1589.cfm%00 (Ver também Independence Day por William Bowles • Domingo, 4 de Junho, 2006 www.williambowles.info/ini/2006/0606/ini-0419.html)

Mas só para o caso de pensarem que eu estou a ser muito selectivo nas citações,

 “Nós não estamos no Iraque para iniciar a construção de um país — a nossa missão é ajudar os iraquianos de forma que eles possam construir o seu próprio país.” — Donald H. Rumsfeld, Washington Post, 25 de Setembro de 2003.

“A invasão norte-americana do Iraque não fez parte de uma esquema de construção de um país. Ironicamente, começando pela Primeira Guerra do Golfo e terminando com o afastamento de Saddam Hussein, as políticas dos EUA interromperam e eventualmente acabaram com um processo de construção de um país liderado por Saddam.” www.cato.org/dailys/06-20-04.html (Ver também ‘Fixing Fallujah – BBC Radio Orwell Reporting for Duty’, 6 de Novembro, 2004. www.williambowles.info/ini/ini-0284.html)

Aí têm, sem nenhum plano, sem intenção de ter ou de implementar um plano, pelo menos da forma como entenderíamos o significado dessa palavra. O objectivo não podia ser mais claro: destruir a sociedade civil iraquiana, torná-lo num ‘estado falhado’, sem querer saber da chacina de centenas de milhares de pessoas ou da total aniquilação da economia mais desenvolvida do Médio Oriente, com o mais alto nível de vida, um sofisticado sistema de saúde, e uma infraestrutura educacional desenvolvida. Era esse o Plano, destruir as infraestruturas cruciais e tudo o que sobrar é um país apenas de nome; o que importa é que o petróleo esteja protegido. (Foram precisos dez anos e 50 mil milhões de dólares para reconstruir uma Alemanha (Ocidental) totalmente devastada depois da 2ª Guerra Mundial.)

Claro que não é coincidência o facto da BBC gastar o nosso dinheiro, tão difícil de ganhar, a reescrever os acontecimentos dos últimos 4 anos, pois é claro para toda a gente que nenhum dos objectivos (declarados) foi atingido com a ‘libertação’ do Iraque, nem mesmo o exército dos EUA, e já agora nem o do Reino Unido, conseguiram manter calados os seus militares (sem dúvida mais por medo de passarem a ser o bode expiatório do que pelos danos que estão a ser provocados naquilo que resta dos seus espíritos).

Por isso foi necessário fazer um controlo severo dos danos, com a situação a ficar completamente fora de controlo; as reais intenções, o petróleo do Iraque e a sua localização estratégica, estavam a ser revelados mesmo por aqueles ‘de dentro’ como Alan Greenspan, antigo director da Reserva Federal,

“Tenho pena que seja inconveniente politicamente, reconhecer o que toda a gente sabe: a guerra do Iraque foi principalmente por causa do petróleo.” — Alan Greenspan, 16 de Setembro de 2007. www.timesonline.co.uk/tol/news/world/article2461214.ece

Vejamos o que é que a BBC dizia em 2004, nos velhos tempos. Com o título “Resolvendo o Problema em Fallujah”, a página da Internet da BBC Radio 4 (a 7 de Dezembro de 2004) dizia-nos

“Eles [os EUA) irromperem pelo Iraque numa campanha curta e vitoriosa, e rapidamente instalaram a paz e a construção do país.”

Quão desleixada pode ficar a BBC? Obviamente que a declaração anterior revela que a BBC mente sobre a ‘falta de um plano pós-invasão’, a não ser, claro, que a BBC tenha inventado completamente a história. Mas como o podiam ter feito quando a BBC estava ciente de que as duas primeiras ‘leis’ aprovadas pelo ‘Administrador’ do novo Iraque conquistado, Ober-Gruppen Fuehrer Bremer, dissolveram o Exército Iraquiano e o Partido Baath? É mais uma citação que não aparece na Primeira Parte (e escusam de esperar pela Segunda Parte).

Mas detenham-se um momento nestas duas infames ‘leis’ que ‘Bremer’ aprovou, cujas implicações eram bem conhecidas na altura. Devemos acreditar (como afirma a BBC na Primeira Parte) que o ‘Plano’ consistia num “Não Plano”? Claro! Do caos sairia o petróleo (‘Sem um verdadeiro plano’ o Ministro do Petróleo ficava excluído da destruição, e previsivelmente, foi a única parte das infraestruturas do estado do Iraque que foram mesmo protegidas desde o primeiro dia).

 

Paul Bremer
Paul Bremer.
Imagem retirada de http://news.bbc.co.uk/

Como pode ser que o país mais poderoso do mundo possa gastar doze anos a bombardear o Iraque até à submissão e nesse processo exterminar talvez 1 milhão de pessoas, a maioria das quais com menos de vinte e cinco anos, e no final, não ter um Plano para quando chegasse o Grande Dia?

O Exército dos EUA tem uma divisão dedicada à implementação de Planos para qualquer país que invadam, é o 4º Grupo de Operações Psicológicas, sedeado em Fort Bragg na Carolina do Norte. A seguir mostro um excerto da sua ‘declaração de missão’:

 “Organização dos Assuntos Civis (AC) do Exército dos EUA
“As unidades AC estão concebidas para dar apoio quer às forças GP quer às SO a nível táctico, operacional e estratégico. A grande maioria das forças AC estão no componente de reserva (CR). A unidade AC activa (96ª AC BN, Ft. Bragg, NC) é capaz de deslocar rapidamente uma das suas cinco companhias regionais AC para cumprir os requisitos iniciais de apoio, com a transição para unidades CR a começar assim que a mobilização permita. As unidades CR de assuntos civis têm especialidades funcionais, com os soldados das unidades a serem designados para equipas funcionais.

“As especialidades funcionais são:
• Secção Governamental
• Legislação
• Administração Pública
• Educação Pública
• Saúde Pública
• Segurança Pública
• Secção Economia/Comércio
• Desenvolvimento Económico
• Abastecimento Civil
• Alimentação e Agricultura
• Secção de Instalações Públicas
• Comunicações Públicas
• Transporte
• Trabalhos e Serviços Públicos
• Secção de Funções Especiais
• Relações Culturais
• Informação Civil
• Civis Deslocados
• Serviços de Emergência
• Manutenção Ambiental

A sua missão crítica é a seguinte:

Apoiar o planeamento e a coordenação dos AC e operações de apoio no país estrangeiro. A unidade fornece especialistas em AC nas seguintes áreas funcionais:
• Administração Pública
• Civis Deslocados
• Apoio Civil
• Comunicações Públicas
• Saúde Pública
• Trabalhos Públicos e Serviços”
[1]

Atão meu? O que é que aconteceu à merda do Plano?! Há milhares, se não centenas de milhares, de documentos que detalham cada aspecto do país estrangeiro ocupado, cada aspecto analisado por secções especializadas do 59º Batalhão de Assuntos Civis, sedeado em Fort Bragg, e tem cinco divisões por todo o país.

Eis o que diz uma secção da página oficial na internet da Associação de Assuntos Civis, sob a direcção do Comando de Operações Psicológicas e Assuntos Civis do Exército dos EUA

 ‘Os soldados dos Assuntos Civis são a ligação do comandante à população e às autoridades civis na área de operações. Para além do seu treino militar, os soldados dos Assuntos Civis possuem competências e experiência baseadas na sua formação civil e trabalhos em campos como as finanças, segurança pública, saúde pública e serviços públicos. Com as suas competências únicas eles apoiam o comandante durante as operações de combate, eliminando preocupações ou exigências da população civil local. Imediatamente após as hostilidades os soldados de Assuntos Civis reconstituem a autoridade civil, e a longo prazo ajudam a reconstruir a economia e infraestruturas civis viáveis. Os Assuntos Civis apoiam os objectivos nacionais dos EUA prestando assistência ao governo de uma zona ocupada para suprir as necessidades da sua população e manter uma administração civil estável e democrática.’ http://www.civilaffairsassoc.org/USACAPOC.htm

Mas a invasão do Iraque não foi obviamente uma invasão típica, como por exemplo na 2ª Guerra Mundial, daí não ter havido necessidade de chamar a 59ª Companhia (excepto para as operações de guerra psicológica, não propriamente para reconstruir o país). A invasão do Iraque faz lembrar a invasão do Vietname, na medida em que não havia uma intenção de ‘construção de um país’, era precisamente o contrário, pois para derrotar o ‘inimigo’ era necessário destruir o Vietname (mas sem o reconstruir depois. Lembrem-se que o conceito de ‘construção de um país’ não tinha ainda sido inventado como o seguimento lógico de destruir um país, tal premissa não era julgada necessária).

Da mesma forma, nunca houve intenção de reconstruir o Iraque, os contratos para a sua reconstrução, que valiam milhões, eram apenas para os ladrões dividirem entre eles (com a cortesia dos que pagam impostos nos EUA e no Reino Unido), com as migalhas que caíam da mesa a serem distribuídas pelos traidores e seus amigalhaços do ‘governo’ iraquiano.

Então porquê esta reviravolta repentina dos media e do resto dos ratos desertores a abandonarem aquilo que parece ser um navio a afundar-se? Eu penso que uma parte da resposta é que toda esta conversa relativa ao Irão pôs alguns dos aliados dos EUA/Reino Unido e seus acompanhantes a borrarem-se de medo de que os psicopatas de fatinho Armani possam mesmo vir a fazê-lo! Por isso, estão a ser usados todo o tipo de manhas para se distanciarem um pouco dos loucos que dirigem o barco, para o caso de isto ficar tudo com a forma de cogumelo.

A segunda parte da resposta tem a ver com o simples facto de que a realidade que é o crime de guerra chamado Iraque está escandalosamente dessincronizada com a propaganda que foi lançada nos últimos dezasseis anos, como as alegadas razões, objectivos e resultados, ou falta deles, no caso do Iraque. Por isso, tal como com no caso do dossier manhoso [um caso passado em 2002 em que Blair cozinhou um relatório relacionado com urânio], o crime teve de ser moldado para uma forma mais aceitável de logro, pois nós até conseguimos aguentar enganos, mas e a limpeza de um país do mapa, com ou sem um ‘Plano’?

Em terceiro lugar, o engodo dos chamados ‘neo-cons’parece estar a ficar gasto, uma coisa é fazer um grande espectáculo invadindo um país que já foi bombardeado até à submissão durante doze anos, mas outra coisa é atacar um que está a funcionar razoavelmente em ordem e sem amaciar primeiro as nossas populações domésticas, e aqui é que a porca torce o rabo, usando o mesmo pretexto para invadir o Irão, nomeadamente as armas de destruição em massa, é um total desastre de relações públicas, mesmo depois de terem lançado toda a treta sobre o envolvimento iraniano nos ataques bombistas no Iraque e no Afeganistão.

Por isso rapaziada, é a altura para o ‘Photoshop’, altura de retocar todas as histórias inconvenientes sobre ‘construção de um país’ e reconhecer todos os ‘enganos’ que foram feitos (como os ‘enganos’ sobre as armas de destruição em massa de Saddam), e já que estamos nisso, divulgar convenientemente um par de bodes expiatórios, por exemplo o já mencionado OGF Bremer. E quem melhor do que a BBC para fazer os retoques, eles andam nisso há décadas.


Notas

1. 'The Plot Thickens' William Bowles 30/04/03
www.williambowles.info/ini/ini-011.html

Para saber mais sobre as PsyOps/PsyWar  [Operações Psicológicas/Guerra
Psicológica] ver:
U.S. Army Civil Affairs and Psychological Operations
www.psywarrior.com/psyop.html
U. S. Army Civil Affairs and Psychological Operations Command
www.globalspecialoperations.com/capoc.html

Se se quiserem alistar, visitem a página: USACAPOC (A) Retention
www.usacapoc.army.mil/retention.aspx ou dêem uma vista de olhos, está lá tudo, como conseguir ocupar um país estrangeiro com sucesso e inclui um jeitoso botão "Alerta de Ameaça Terrorista", que neste momento está no "Elevado".



 

Texto de William Bowles publicado em Creative-I a 29 de Outubro de 2007. Tradução de Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 13:00
link do post | comentar | favorito
|

Todos os textos aqui publicados são traduções para português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Crise Alimentar

A maior demonstração do falhanço histórico do modelo capitalista



Em solidariedade com a ACVC

Camponeses perseguidos na Colômbia

"Com a prosperidade dos agrocombustíveis, a terra e o trabalho do Sul estão outra vez a ser explorados para perpetuar os padrões de consumo injusto e insustentável do Norte"



Investigando o novo Imperialismo

↑ Grab this Headline Animator


.Vejam também:

Associação de Solidariedade com Euskal HerriaManifesto 74
Sara Ocidental Passa Palavra
XatooPimenta NegraO ComuneiroODiárioResistir.InfoPelo SocialismoPrimeira Linha
Menos Um CarroJornal Mudar de Vida
Blogue OndasBioterra





InI Facebook

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.