WTC7

.posts recentes

. Adolescente americana ame...

. Palestina 2014

. O nascimento de uma nação...

. Palestina e Israel: Pergu...

. 'Bilderbergues' do mundo,...

. Política em Campo: Quando...

. Nakba há 60 anos

. Judeus estão a fazer um h...

. É tempo de um Novo Movime...

. Terceiro Aniversário da S...

. Hamas: “Se vierem forças ...

. Sobre o boicote académico...

. Deir Yassin continua

. Continua a Resistência co...

. Amontoar de lixo e frustr...

.pesquisar

 

.Arquivos

.subscrever feeds

blogs SAPO
Domingo, 10 de Janeiro de 2016

Adolescente americana ameçada pela direção da escola por ser ativista pró-palestiniana

Bethany Koval, uma ativista adolescente de 16 anos, impressionantemente desafogada e consciente, de Fair Lawn, Nova Jérsia, a estudar na Escola Secundária de Fair Lawn viu ontem serem-lhe apontados os dedos por causa do seu ativismo político. Aquilo que começou por um comentário sobre um bombardeamento de uma praia de Gaza: “Eu falei sobre o número de mortos e chamei terrorista ao governo de Israel", acabou por resultar numa convocatória para ir ao gabinete do diretor da escola, onde foi intimidada, ameaçada com ações legais, e coagida a assinar uma declaração.

rGAOw42Y_400x400.jpgComo Koval foi divulgando ao longo do dia a sua experiência no Twitter, ativistas nas redes sociais rapidamente se organizaram e iniciaram um marcador (hashtag),  #IStandwithBenny [EuApoioBenny]. As notícias do assédio de que foi alvo espalharam-se como fogo a nível nacional e internacional. Já se tornou viral.

O Director acabou de me chamar. Estou prestes a ser confrontada por ser anti-Israel. Rezem por mim.

— benny (@bendykoval) 6 de janeiro de 2016

 

“Eu tenho o direito de falar”, começa assim a declaração coagida de Koval, fotografada e enviada para o mundo pelo Twitter. “O Sr. Guaginino intimidou-me para que escrevesse a declaração sem nenhum advogado presente”, referindo-se ao sub-diretor da Escola Secundária de Fair Lawn, Frank Guadagnino.

Ela é inteligente e desafiadora. “Eu expressei as minas opiniões políticas na internet sobre o governo de Israel, e irei continuar a fazer isso. Eu não serei silenciada pelo medo. Não me submeterei à intimidação."

Onze dias antes, a 27 de dezembro, Bethany Koval iniciava no sua conta do Twitter uma sequência extensa de publicações explicando em termos simples e claros por que razão Israel é um Estado de apartheid. Ela começou de forma suave, assim:

 

Israel é um Estado de apartheid. Eis porquê, de forma simples: vindo de um judeu israelense. [THREAD]

 — benny (@bendykoval) December 27, 2015

 

Sem desleixo, as publicações iniciais de Bethany citavam responsavelmente o dicionário Oxford:

 

“Apartheid” pode ser definido como uma segregação com base na raça. Alguns dizem que esse termos não se aplica a Israel porque há livre direito de voto. Mas “segregação” pode ser definido como “a separação forçada entre diferentes grupos raciais num país, comunidade ou estabelecimento”.

 

Depois ela divulgou uma ligação do jornal Times of Israel sobre os apelos de um antigo diretor da Shin Bet [Agência de Segurança de Israel] a favor de uma segregação rodoviária na Cisjordânia, divulgou artigos do jornal israelense Haaretz, bem como o vídeo horrendo e infame de uma dança num casamento de colonos onde celebravam esfaqueando uma fotografia de Ali Dawabshe, o bebé palestiniano de 18 meses queimado vivo a 31 de Julho. Toda a sequência de publicações está disponível aqui e a revista na internet Muftah republicou grande parte num artigo com o título "Como Uma Adolescente de Nova Jérsia Foi Trucidada Pela Sua Escola Por ser Pró-Palestiniana".

 

Eis a declaração completa que ela foi forçada a escrever depois de claramente ter dito “Eu não quero fazer uma declaração" e reforçando que “acredito que tenho direito a um advogado“.

 

Foi-me negado o direito a um advogado. Fui forçada a escrever uma declaração, mas eu pedi-lhes que a revogassem.

 — benny (@bendykoval) 6 de janeiro de 2016

 

Bethany Koval

Aqui ele intimidou-me a fazer uma declaração sem eu ter apoio legal.

 — benny (@bendykoval) 6 de janeiro de 2016

 

Durante as férias escolares, no dia 22 de dezembro, Koval envolveu-se numa conversa sobre Palestina/Israel e sobre a viabilidade de uma solução de dois Estados e a discussão chegou ao tema do Hamas. Koval disse que não achava que o Hamas era extremista; “O Hamas é pintado dessa forma. A retórica odiosa contra o Hamas foi o que permitiu o bombardeamento de Gaza”. Uma outra estudante da sua escola sentiu-se ofendida pelas suas publicações no Twitter e começou a debatê-las com amigos. Pareceu a Koval que talvez pudesse meter-se em sarilhos e que as suas opiniões fossem interpretadas como "discurso de ódio".

 

Ela explicou na sua declaração às autoridades: “Uma menina…disse aos seus amigos que eu não tinha direito a falar sobre isto, e não mencionou a minha etnia judaica”. Infelizmente não é a primeira vez que se desdenha origem étnica judaica de quem expõe as atrocidades de Israel. Koval escreveu que retaliou fazendo uma publicação no Twitter sobre isso, uma “mensagem geral”. A partir disso, houve estudantes que fizeram queixa dela e a acusaram de acossamento escolar (bullying), algo que é punível com uma suspensão e/ou expulsão, no Estado de Nova Jérsia.

 

“Sou acusada de bullying, penso que por eu desejar uma Palestina Livre. A liberdade de expressão é acorrentada e espancada nesta escola.”

 

Um proeminente professor universitário, Steven Salaita, publicou no TwitterOs sionistas andam agora atrás de adolescentes. Não me surpreende.” Notícias da sua situação foram traduzidas para árabe e espalharam-se rapidamente nas redes sociais da internet:

Koval árabe

 Ativistas de todo o mundo inundaram a escola e as autoridades locais comunicando o seu desagrado, tendo entretanto Koval feito um pedido para que parassem essas comunicações com a escola.

Apesar do apoio vindo de todo o mundo, Benny fez uma publicação no Twitter dizendo que os seus pais não apoiavam os seus pontos de vista.

 

Ambos os meus pais discordam de mim.

— benny (@bendykoval) 6 de janeiro de 2016

 

Depois de ter lido uma publicação alarmante dizendo que os seus pais estavam "REALMENTE furiosos" e preocupada com a sua situação em casa, eu falei com Bethany Koval. Ela está agora a ser acompanhada pelo advogado de Nova Iorque, Stanley Cohen, e evidentemente Cohen acalmou os nervos da sua mãe, “Ele falou com ela e ela acalmou-se mesmo”.

 

É difícil de lidar com o facto de ter uma filha foco de tanta atenção com uma controvérsia tão quente, mas a mãe está a conseguir de alguma forma adaptar-se à situação.

Eu perguntei a Bethany se ela estava preparada para a celebridade.

 “Não, nem por isso. Eu não quero ser a face do movimento, eu quero que os palestinianos sejam a face do movimento. Não é correto quando pessoas privilegiadas ficam com os créditos do que outras pessoas, não privilegiadas, andam a dizer há muito tempo.”

 

Foste contactada por grandes meios de comunicação?

 “Pelo jornal The New York Times

 

Sentes que estás a aumentar a consciência à tua volta, na escola?

 “Será estranho regressar. Eu vejo a divisão entre grupos de amigos. Alguns alunos da minha escola contactaram-me e disseram que estão atentos, que me apoiam. Eu não estava à espera, não tinha previsto isso.”

 

Entretanto, na internet ela está rapidamente a tornar-se num modelo de liberdade de expressão para os jovens ativistas pró-palestinianos. Inteligente, com moral, politicamente perspicaz, consciente e também com classe:

 

Quando os sionistas esperam que eu seja a favor do genocídio palestiniano porque sou uma judia israelense pic.twitter.com/ixgCfE3Rua

 — benny (@bendykoval) 6 de janeiro de 2016

 

Entretanto Koval publicou no Twitter: "E disse uma vez que o 'Hamas não é extremista', mas eu queria dizer que 'o Hamas não é o único extremista'. Era isso que eu queria dizer. Não sou apologista do Hamas. Apenas considero escandaloso que se deitem as culpas todas para cima do Hamas. As IDF [Forças de Defesa de Israel] não são totalmente inocentes.

 

Texto de Annie Robbins publicado em mondoweiss.net a de 7 de Janeiro de 2016.

publicado por Alexandre Leite às 00:15
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

Palestina 2014

A Palestina em 2014 continua a ser Gernika em 1937, Treblinka em 1942, Varsóvia em 1943, Chuka em 1953, Alabama em 1955, My Lai em 1968, Soweto em 1976, Brixton em 1981, Srebrenica em 1995, Acteal em 1997 ou Bagdade em 2003. É, sem ser nenhuma, todas ao mesmo tempo.

 

A Palestina em 2014, no (suposto) Ano Internacional de Solidariedade com o Povo Palestiniano da ONU, continua a ser um símbolo interminável das consequências do colonialismo, do supremacismo étnico e da liquidação do diferente. Tudo com a cumplicidade próxima de autoridades políticas e militares, de empresas, de figuras do mundo da cultura ou de instituições como a União Europeia, a Generalitat [governo] da Catalunha ou diversas polícias do Estado espanhol que se treinam em Israel [1]. Mais de 130 anos depois da chegada do movimento sionista à Palestina e a 66 anos da Nakba (a limpeza étnica anterior e posterior à criação do Estado de Israel), a terra continua a ficar mais estreita a cada dia para os palestinianos.

 

Sitiados, a vida torna-se tempo. O povo palestiniano tem memória do princípio, e esquece o final. Às vezes, é uma das poucas coisas que sobram. Por exemplo, lembra-se como antes do aparecimento dos colonos sionistas não havia nenhum problema com o “Velho Yishuv”, a pequena comunidade judia que habitava no território. Recorda-se como desde décadas antes de se que estabelecesse o Estado israelita já havia tinham começado na Palestina as práticas de exclusividade étnica (um apartheid de facto) do Fundo Nacional Judeu ou do sindicato Histadrut, que impediam as pessoas não judias de aceder a determinadas terras ou esferas laborais [2]. Lembra-se como iniciou a resistência perante o colonialismo sionista e o britânico (incluindo também mulheres feministas como Salma al-Husayni ou Tarab Abdul Hadi [3], as quais se pretendeu apagar da história) e como a resistência popular continua a ser um elemento central na identidade palestiniana. Tem memória, apesar do memoricídio israelita, de como entre 418 e 531 municípios palestinianos foram apagados do mapa durante a Nakba e como cerca de 800.000 pessoas foram expulsas de suas casas. Recorda, recentemente, como há 10 anos (em julho de 2004) o Tribunal Internacional de Justiça de Haia declarou ilegal o Muro do Apartheid e solicitou o seu desmantelamento, reclamação sobre a qual a comunidade internacional tinha e tem a responsabilidade de actuar para obrigar Israel a cumprir a sentença [4].

Hoje, entre os ferros forjados pelas bombas, os palestinianos tentam calcular com um sexto sentido a distância entre o seu corpo e o nada. Os últimos massacres sobre Gaza são mais um episódio terrível a acrescentar ao que ocorre diariamente. Apesar da atenção que recebe durante estes dias a outra margem do Mediterrâneo, cabe destacar que a ocupação sionista-israelita da Palestina e a opressão sobre a sua população não judia não é um facto conjuntural, mas acontece sim de múltiplas formas todos e cada um dos dias desde há muitas décadas. Os últimos bombardeamentos são mais um capítulo de uma Nakba que nunca acaba e que se (des)vive quotidianamente entre muros (uns físicos e outros não), bantustões, campos de concentração, bloqueios, prisões com maiores e menores de idade sem garantias nem julgamentos prévios, escavadoras, estradas só para pessoas judias, checkpoints [pontos de controlol], matrimónios não mistos, cinco tipos de cartões de identidade, trincheiras, centenas de milhares de oliveiras arrancadas ou queimadas, drones [veículos aéros não tripulados], dois sistemas jurídicos, para judeus e não judeus, arames farpados ou reduções de terra e mar. Tudo isto constitui um sistema de privação perfeitamente traçado. Tudo isto supõe um sistema de apartheid, que já foi reconhecido há mais de quatro décadas por primeiros-ministros da África do Sul e do Estado israelita. Neste sentido, para citar só dois exemplos, já em 1961 o primeiro-ministro da África do Sul do apartheid, Hendrik Verwoerd, declarou: “Eu concordo com eles. Israel, como a África do Sul, é um Estado de apartheid” [5]. Depois da Guerra de Junho de 1967, David Ben-Gurion afirmou que a menos que Israel conseguisse “libertar-se dos territórios [ocupados] e da sua população árabe”, Israel converter-se-ia num Estado de apartheid [6].

Na Palestina/Israel quiçá não seja tão fácil encontrar cartazes do estilo de “Whites only[Só para brancos]”, mas o sistema é inclusivamente mais perverso e sofisticado que o do país sul-africano [7]. Uma das diferenças centrais entre a África do Sul e o Estado sionista é que no primeiro país os brancos procuravam retirar poder, controlar, discriminar, deslocar e explorar a população autóctone, mas não expulsá-la do país. Entretanto, o segundo sim tem como objectivo último estender-se pelo maior território possível com o mínimo de população palestiniana. Por outras palavras, na África do Sul os brancos necessitavam da terra, mas também do seus habitantes. O Estado de Israel, pelo contrário, necessita da terra, mas não da sua população autóctone. Para além disso, entre outros elementos, temos de acrescentar as matanças contra o povo palestiniano como as que estamos a viver nestes dias, que em numerosos âmbitos foram qualificadas de “genocidas”. A vinculação entre as autoridades israelitas e o termo “genocídio” não é casual; no passado mês de novembro o Tribunal de Crimes de Guerra de Kuala Lumpur (Malásia) declarou o Estado de Israel culpado de genocídio [8].

Segundo o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, o apartheid é um crime contra a Humanidade. Na África do Sul, a causa contra o racismo de Estado e o esbulho da população autóctone converteu-se numa causa da humanidade. Para além da instrumentalização da sua figura, Nelson Mandela chegou a ser e é uma referência para a Humanidade. Nas últimas décadas do século passado, pessoas de todo o mundo questionaram-se como agir a partir dos seus países para acabar com o apartheid. A principal resposta foi o BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções) [9], uma forma de pressão para que se cumprisse a legalidade internacional e se preservassem os direitos fundamentais da população sul-africana não branca. O BDS contribuiu para que o regime do apartheid caísse. Em 2005, mais de 170 organizações palestinianas apelaram à comunidade internacional para que, seguindo o exemplo do ocurrido na África do Sul, se aplicasse o BDS a Israel. Desde então, organiza-se a partir de numerosos territórios de todo o mundo e aplica-se em diversos âmbitos: económico, institucional, sindical, cultural-desportivo e académico. A iniciativa tem êxitos a cada semana (há vários dias o principal sindicato do Reino Unido e Irlanda, Unite, aderiu ao BDS [10]) e cresce rapidamente. Estratégias similares já foram postas em prática por outra referência humana fundamental: Mahatma Gandhi. Igualmente, nos últimos anos o BDS a Israel foi apoiado pelo cientista Stephen Hawking, pelo Prémio Nobel Desmond Tutu ou pelo falecido Stéphane Hessel, que participou na redacção da Declaração Universal dos Direitos Humanos depois de ter sobrevivido ao campo nazi de Buchenwald [11]. Na actualidade, pode considerar-se que o BDS é a máxima esperança internacional para o povo palestiniano, unido à difusão de tudo o que lhe concerne e a que não sejam silenciadas as vozes dos que se opõem ao seu desaparecimento.

Por último, convém recordar as palavras do companheiro Iván Prado, director do Festiclown e porta-voz dos Palhaços em Rebeldia, que afirmou que "a Palestina é hoje, mais do que nunca, o lugar do mundo onde a humanidade mais se joga o poder continuar a considerar-se isso mesmo, Humanidade". Nestes dias, enquanto as bombas caem sobre Gaza, podemos demonstrar que continuamos a ser seres humanos.

 

Notas:

[1] “Mossos a Israel. Cursos de repressió. #TestedInCombat” (https://www.youtube.com/watch?v=IcmlclCUDiY); http://negocisocults.org/tested-in-combat, consultado a 14/07/2014.

[2] Ferran IZQUIERDO BRICHS: “Sionismo y separación étnica en Palestina durante el Mandato británico: la defensa del trabajo judío”, Scripta Nova: Revista electrónica de geografía y ciencias sociales, 10 (2006), http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-227.htm; e ÍD.: “Las raíces del apartheid en Palestina: La judaización del territorio durante el Mandato británico”, Scripta Nova: Revista electrónica de geografía y ciencias sociales, 11 (2007), http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-246.htm, consultado a 14/07/2014.

[3] Ellen L. FLEISCHMANN: “The Emergence of the Palestinian Women's Movement, 1929-39”, Journal of Palestine Studies, vol. XXIX, 3 (2000), págs. 16-32.

[4] http://boicotisrael.net/bds/1300-yonocomproapartheid-10-anos-la-haya-muro/, consultado a 14/07/2014.

[5] Citado por Andrew James CLARNO: The empire’s new walls: Sovereignty, neo-liberalism, and the production of space in post-apartheid South Africa and post-Oslo Palestine/Israel, Tese de doutoramento, Universidade de Michigan, 2009, pág. 66.

[6] Citado por Hirsh GOODMAN: Let me create a paradise, God said to himself: A Journey of Conscience from Johannesburg to Jerusalem, Cambridge (MA), Perseus Book Group, 2005, pág. 78.

[7] Ben WHITE: Israeli Apartheid: A Beginner’s Guide, Londres-Nova Iorque, 2009, págs. 1-93.

[8] “Israel, culpable de genocidio”, Rebelión, 27/11/2013, http://www.rebelion.org/noticia.php?id=177368, consultado a 14/07/2014.

[9] http://www.bdsmovement.net/, consultado a 14/07/2014.

[10] http://www.alternativenews.org/english/index.php/features/economy-of-the-occupation/8270-british-trade-union-unite-joins-bds-campaign, consultado a 14/07/2014.

[11] Luz GÓMEZ GARCÍA (ed.): BDS por Palestina: el boicot a la ocupación y el apartheid israelíes, Madrid, Editorial Ediciones del Oriente y del Mediterráneo, 2014.

Jorge Ramos Tolosa é investigador do Departamento de História Contemporânea da Universidade de Valência e especialista na Palestina e Israel.

 

@JorgeRTolosa

 

Texto de Jorge Ramos Tolosa publicado na Rebelion.Org a 16 de Julho de 2014. Tradução de Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 11:00
link do post | comentar | favorito

Todos os textos aqui publicados são traduções para português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Crise Alimentar

A maior demonstração do falhanço histórico do modelo capitalista



Em solidariedade com a ACVC

Camponeses perseguidos na Colômbia

"Com a prosperidade dos agrocombustíveis, a terra e o trabalho do Sul estão outra vez a ser explorados para perpetuar os padrões de consumo injusto e insustentável do Norte"



Investigando o novo Imperialismo

↑ Grab this Headline Animator


.Vejam também:

Associação de Solidariedade com Euskal HerriaManifesto 74
Sara Ocidental Passa Palavra
XatooPimenta NegraO ComuneiroODiárioResistir.InfoPelo SocialismoPrimeira Linha
Menos Um CarroJornal Mudar de Vida
Blogue OndasBioterra





InI Facebook

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.